Não é reforma. É o fim da aposentadoria!

Não é reforma. É o fim da aposentadoria!

Previdência social Não é reforma. É o fim da aposentadoria!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Golpe contra a previdência social

Michel Temer, a maioria do congresso e a grande mídia retomaram nesta semana uma brutal ofensiva contra a previdência social. Manipulações, mentiras, propagandas milionárias, terrorismo fiscal, tudo para convencer a população a aceitar a reforma da previdência – na verdade, desmonte.


Previdência Social, saiba mais:

 GREVE NACIONAL DE 5/12, clique aqui e saiba como você vai perder seu direito a aposentadoria

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.


Para atender aos interesses do sistema financeiro, interessado em abocanhar a previdência social, o condomínio golpista quer, na prática, acabar com o direito a aposentadoria de milhões de pessoas.

Preocupados com a imensa insatisfação e oposição popular ao fim da aposentadoria, Temer busca viabilizar  o que chamam de uma mini-reforma, estabelecendo idade mínima de 65 anos, 40 anos de contribuição para receber o benefício integral e estabelecer teto do INSS para servidores públicos.

Como parte da ofensiva para convencer a população brasileira, a mídia alardeia relatórios preparados pelos rentistas do Banco Mundial, verdadeiro comitê de defesa do capital financeiro internacional.

Cabe lembrar que a recente CPI no congresso concluiu que não existe déficit nas contas da seguridade social, apesar de os grandes empresários e banqueiros deixarem de pagar o que devem aos cofres da previdência social.

“Apesar do bombardeio de propaganda, oficial ou subliminar, a população brasileira não dá sinais de aceitar o desmonte do direito à aposentadoria” afirma Edson carneiro Índio.

“A classe trabalhadora precisa articular uma forte pressão sobre deputados e senadores, além de preparar a Greve Nacional aprovada por unanimidade durante manifestação de todas as centrais sindicais no último dia 10/11 em São Paulo“.

A proposta é paralisar as atividades, em todo o país, na data em que estiver marcada a votação da reforma.

Para isso, é necessário desde já um amplo processo de debates, mobilizações e organização para a luta.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Renato Luís Schmitt
Renato Luís Schmitt
3 anos atrás

A mídia juntamente com os políticos fazem o que deve fazer. O trabalhador tem que fazer sua parte que é ir em busca de informações verdadeiras. Porém e infelizmente a maioria acredita nos telejornais e infelizmente a maioria prefere ligar a tv que é mais cômodo do que ir no computador onde ele encontra notícias realmente verdadeiras. Há critérios para saber quando uma notícia é falsa ou verdadeira.