Capital federal vira uma cidade fantasma em dia de greve geral. Só os manifestantes saíram às ruas.

Compartilhe

Saiba mais:
Câmara dos Deputados dá tiro de morte nos direitos trabalhistas
→ Nota Pública do Ministério Público do Trabalho contra a Reforma Trabalhista e apoiando a Greve Geral
→ Juízes e advogados em defesa da Justiça do Trabalho


A Esplanada dos Ministérios ficou vazia nesta sexta-feira , 28 de abril, dia de greve geral. O funcionalismo ignorou a ameaça de corte de ponto e aderiu ao movimento dos trabalhadores em todo o país contra as reformas praticadas por Michel Temer.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Transportes rodoviários, metrô, professores e funcionários de escolas, bancários, trabalhadores da saúde e servidores públicos garantiram que a capital federal parasse e ficasse vazia. Concentração de gente só se viu mesmo nos protestos contra as reformas da previdência e trabalhista, contra a retirada de direitos.

Manifestações no acesso ao aeroporto internacional do DF, em seis rodovias das regiões administrativas e do entorno do DF impediram a passagem de veículos e deram à Brasília um aspecto de calmaria.

A rodoviária do Plano Piloto ficou sem ônibus e sem qualquer movimentação.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários