FSM: Pronunciamento pelo Dia Internacional da Mulher: “Mulher trabalhadora na linha de frente”

Saiba mais:
HOJE: Mulheres vão às ruas neste 8 de março dizer: se nossas vidas não valem, produzam sem nós! Basta de feminicídio!
→ HOJE: Aposentadoria Fica, Temer Sai! Paramos 8/3 pela vida das mulheres!
→ Acesse o panfleto unificado deste 8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres!
Mulheres exigem igualdade de condições. Chega de opressão!
Exigimos: basta de violência contra as mulheres!


As mulheres no mundo sempre lutaram e continuam lutando ante as situações de exploração, abuso, torturas, discriminação, ultrajes, violência machista, escravidão, mutilação genital, apedrejamento, violações sexuais, assassinados (feminicídios), práticas que ainda persistem. Diversos movimentos feministas e de mulheres lutaram, e seguem em sua luta para modificar, romper e mudar estas múltiplas expressões de violação e desrespeito aos direitos das mulheres. Este 08 de março deve significar a valorização dos resultados obtidos até hoje, o reconhecimento formal de direitos e evidenciar todas as grandes brechas de desigualdade e iniquidade que ainda existem no mundo.

Ano após ano, nos encontramos resistindo às agressões brutais da mesma política neoliberal contra a classe trabalhadora no geral, mas que incide mais fortemente em nós, as mulheres, nos colocando à margem em trabalhos precários, com piores salários que os homens, mais contratos temporários, em que nos exigem completa disponibilidade para jornadas parciais, contrato por horas, uma sobre qualificação, questionando nossa profissionalidade se queremos compatibilizá-la com um projeto de maternidade, engrossando as listas de desempregadas ou trabalhando em condições precárias na agricultura, em diferentes formas de emprego para serviços públicos, professoras contratadas, trabalhando por conta própria etc. Isto é, a maioria das vezes, a mulher trabalhadora padece mais fortemente ao desemprego, aos recortes salariais e à violação de seus direitos fundamentais.

Neste dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, que sirva para reivindicar à mulher proletária, à mulher camponesa, à mulher do povo, à mulher trabalhadora, à mulher sindicalista, à mulher que luta para sobreviver e quebrar as correntes que a oprimem. O dia 08 de março não é um dia para saudar as mulheres no geral ou em termos abstratos, é um dia de combate, de reconhecimento. Frente a isso, as mulheres trabalhadoras e os povos oprimidos do mundo não podem ter outra atitude a não ser refletir, denunciar e principalmente organizar-se para acabar com a origem do avassalamento econômico e patriarcal.

Nós, mulheres da Coordenação Latino-americana e do Caribe da Mulher, da FSM, nos comprometemos a continuar lutando até que as mulheres do mundo e dos nossos países possam viver livres de toda expressão de violência, opressão, discriminação, desigualdades de gênero, com dominação machista. Além disso, conseguir uma representação paritária de mulheres nos espaços de decisão política, a eliminação de todas as desigualdades, iniquidades e injustiças para as mulheres e, sobretudo, um trabalho digno com justiça social.

Glória às mulheres do mundo!

CARMELA SIFUENTES;
VIVIANA ABUD;
LUCIA MAIA.

Coordenadoras de mulheres da FSM em nível latino americano

FSM - Federação Sindical Mundial - 8 de março - Dia da Mulher

Clique na imagem para ampliar

 

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Postagens Relacionadas

Tags ,

*

Top