Exigimos: basta de violência contra as mulheres!

Achou esta informação importante? Compartilhe em suas redes sociais:

Saiba mais:
Pressione deputados da Comissão da Reforma da Previdência: acesse a lista!
→ Baixe o Jornal da Reforma da Previdência
 Vídeo (3 min.): Wagner Moura e Povo Sem Medo explicam a reforma da Previdência
→ Vídeo (2 min.): Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


É grave a situação em que as mulheres são submetidas no Brasil pelo patriarcalismo e o capitalismo. Os números dão uma mostra dessa situação aviltante, ainda que as estatísticas  jamais vão expressar a dor e as consequências para a vida das mulheres, em particular a mulher trabalhadora.

Ao menos uma em cada cinco mulheres já sofreu algum tipo de violência por parte de homens, conhecidos ou não. Levantamentos realizados em 2010 apontavam cinco espancamentos a cada dois minutos. O estupro foi detectado pelo 9º Anuário da Segurança Pública de 2015 e vitimiza uma mulher a cada onze minutos.

Já o balanço realizado nos seis primeiros meses de 2015 do serviço Ligue 180 apontaram 179 relatos de agressão de mulheres por dia. Segundo o IPEA, no mesmo ano de 2013, houve um feminicídio (assassinato de mulheres) a cada 90 minutos.  

A violência contra as mulheres se materializa, ainda de inúmeras outras maneiras: nas múltiplas jornadas de trabalho, na sub-representação das mulheres nos espaços de decisão política, na retirada de direitos e na ausência do Estado. Fatores que atingem, principalmente, as mulheres pobres e negras.

“Por isso, o 8 de março segue atual e muito importante. Hoje, é fundamental todas as mulheres ocupando as ruas. Resistir, lutar e avançar! Se nós paramos, o mundo para”, conclui Vanessa Gravino, professora e da Direção Nacional da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Postagens Relacionadas

Achou esta informação importante? Compartilhe em suas redes sociais:

*

Top