Temer quer o fim da CLT antes de acabar com a aposentadoria

Temer quer o fim da CLT antes de acabar com a aposentadoria

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Terceirização: agora é Greve Geral!
Veja o contato de cada Deputado; cobre-o pela sua votação


A resistência ao desmonte da previdência está fazendo o governo mudar sua estratégia para agradar aos banqueiros e grandes empresários, acabando com os direitos trabalhistas e previdenciários. É o que aponta matéria do jornal Valor Econômico desta segunda, dia 20/03, cujo título afirma que resistência à reforma da previdência faz governo antecipar trabalhista.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Segundo a matéria, “assim, governo e Congresso demonstrarão que estão emprenhados em aprovar reformas estruturantes, dando um sinal positivo ao mercado financeiro”. O jornal Valor Econômico é um dos principais porta-vozes dos donos do dinheiro no Brasil, e defende ardorosamente a agenda de ataques aos direitos estabelecidos na Constituição e na CLT.

O crescimento da mobilização contrária às mudanças na previdência, em particular após o dia 15 de março que reuniu mais de um milhão de pessoas nas manifestações convocadas pelas Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, além das fortíssimas paralisações de diversas categorias, é sem dúvida nenhuma a principal preocupação do golpismo. A votação da chamada reforma trabalhista não exige um quórum qualificado, e pode ser aprovada por maioria simples.

Ainda segundo o Valor, as duas “reformas” ficarão prontas para votar no início de abril. Além disso, o presidente da Câmara dos Deputados ameaça colocar em plenária amanhã, dia 21, a votação do PL 4302/98, projeto nefasto que libera a terceirização e quarteirização em todas as atividades, no setor privado ou público, ampliando ao limite a precarização do trabalho no Brasil.

“Diante desse quadro de desmonte dos direitos, a população trabalhadora não pode se deixar manipular pela mídia ou mesmo permitir que se tire a atenção da classe trabalhadora. Estamos de olho nessa agenda do congresso. E temos milhares de trabalhadores dialogando com a população pra pressionar os deputados. Quem votar a favor de qualquer destes projetos nunca mais terá o voto da população trabalhadora”, alerta Edson Carneiro Índio.

“Além de pressionar os parlamentares, estamos em diálogo com o conjunto das organizações para a Greve Geral que vai parar o Brasil em defesa dos direitos estabelecidos na Constituição e na CLT. Aposentadoria e direitos trabalhistas ficam. Temer é quem deve sair”, conclui Índio, Secretário Geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários