STF julga pelo fim da contribuição sindical obrigatória

STF julga pelo fim da contribuição sindical obrigatória

STF julga pelo fim da contribuição sindical obrigatória | INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Contribuição Sindical

O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu neste dia 29/06 o julgamento sobre a constitucionalidade do fim da contribuição sindical compulsória implementado na Reforma Trabalhista que entrou em vigor no ano passado.

Por seis votos a favor da extinção da contribuição compulsória e três a favor da sua manutenção, a maioria do STF acatou o voto do relator da matéria, o ministro Luiz Fux, que se posicionou favorável a constitucionalidade do fim da contribuição sindical.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Tal posição vem ao encontro com os interesses do governo ilegítimo de Temer, que pretende, por meio de vários mecanismos – inclusive o enfraquecimento financeiro das entidades sindicais – reduzir a capacidade de luta dos trabalhadores frente às demais consequências nefastas da Reforma Trabalhista.

A Intersindical não recebe contribuição sindical compulsória. Mas isso não nos leva a apoiar propostas que visam desmontar o movimento sindical. Assim como a maioria do Congresso, o STF demonstrou, mais uma vez, que atende aos interesses daqueles que querem aumentar a exploração da classe trabalhadora e destruir a resistência e a organização sindical.

Neste sentido, cabe ao movimento sindical reforçar o diálogo com as bases de cada categoria, discutir novas formas de manutenção dos sindicatos, instrumentos indispensáveis para a defesa dos interesses da classe trabalhadora.

Seguimos na luta pela revogação de todas as medidas implementadas pelo governo golpista como forma de restabelecer o mínimo de consenso democrático necessário à construção de um projeto de enfrentamento ao desemprego, da informalidade e da precarização.

Neste sentido, a Intersindical apoia a iniciativa do Senador Paulo Paim (PT/RS), que colocou em discussão o Novo Estatuto do Trabalho, proposta que assegura bandeiras históricas do movimento sindical, com a valorização e defesa da dignidade do trabalhador.

Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, em conjunto com as demais centrais, elaborou a Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora, que está sendo entregue aos pré-candidatos à Presidência da República. Neste documento, estão expostas 22 medidas de efetivação imediata que vão de encontro com a implementação de um programa de governo que atenda a maioria do povo brasileiro.

São estes conjuntos de medidas e iniciativas levadas adiante pelo movimento sindical e ainda o reforço das mobilizações, paralisações e greves que possibilitarão a retomada dos direitos e da democracia perdida com o golpe de 2016.

QUEM VOTOU NÃO VOLTA!

Texto: Pedro Otoni


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Facebook Intersindical

Instagram Intersindical

YouTube Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários