Servidores municipais de Belém aderem à Greve Geral do dia 28 de abril

Servidores municipais de Belém aderem à Greve Geral do dia 28 de abril

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
Câmara dos Deputados dá tiro de morte nos direitos trabalhistas
→ Nota Pública do Ministério Público do Trabalho contra a Reforma Trabalhista e apoiando a Greve Geral
→ Juízes e advogados em defesa da Justiça do Trabalho


No dia 28/04, não vou trabalhar, vou à rua protestar!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

As mídias tradicionais – televisão, rádios e jornais – e redes sociais, vem mostrando ultimamente um cenário político de corrupção desenfreada envolvendo velhas raposas da política nacional. São muitos os políticos de vários partidos que foram “premiados” e parecem na famigerada lista da Odebrecht.

Seria cômico se não fosse trágico, nossos três principais governantes: Temer, Jatene e Zenaldo, estarem bastante “encrencados”, politicamente falando.

Temer (PMDB), presidente golpista, está quase cassado, e foi delato na lista da Odebrecht, por receber “vantagens indevidas” (propina). O governador do Pará, Simão Jatene (PSDB) está cassado pelo TRE/PA, e também, aparece na lista da Odebrecht, por receber “vantagens indevidas”(propina). O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), está bi-cassado pelo TRE/PA, devido várias denuncias de fraude na campanha eleitoral/2016.

Invertendo a compreensão da frase popular: “o povo brasileiro/paraense/belenense não merece os governantes que têm!”

Enquanto isso, a classe trabalhadora brasileira é quem está pagando a conta da crise econômica e política: sem reajuste salarial, o poder aquisitivo da população cai; o desemprego cresce e afeta milhões de trabalhadores; e para piorar a situação, vem ocorrendo reajustes abusivos de energia elétrica, água, remédios, gás, transportes públicos, etc.

Como toda desgraça é pouca, o governo Temer, tem enviado ao congresso nacional (e está aprovando) vários projetos de leis que retiraram direitos sociais, trabalhistas e previdenciários da classe trabalhadora, como objetivo de pagar juros da divida pública e aumentar a taxa de lucro das empresas brasileiras e estrangeiras. Dentre elas destacamos:

Reforma da Previdência (PEC 257) está em votação no congresso nacional – Eleva para 49 anos o tempo de contribuição para aposentadoria integral, com obrigatoriedade de idade mínima de 65 anos, tanto para trabalhadores/Servidores (homens e mulheres). Essa reforma se aprovada, praticamente impedirá que o(a)s trabalhadore(a)s consigam se aposentar.

Reforma trabalhista(PL 6787/16) em votação no Congresso Nacional,pode acabar com 13º salário; férias; elevação da jornada de trabalho; mudanças nas regras de negociação entre patrão e empregado, criando a regra do “negociado” em substituição ao legislado” e muitas outras maldades.

Lei das Terceirizações- já sancionada por Temer: Lei 13.429. Essa lei libera a terceirização para todas as atividades, tanto atividades-meio como as atividades-fim. Com a aprovação da lei, por exemplo, um governo na atividade educacional (na escola) ou de saúde (no hospital) vai poder terceirizar a contratação de professores/ médicos. Com a lei das terceirizações anterior, só era permitida a terceirização de atividades-meio – como limpeza e segurança.

Reforma do Ensino Médio – já sancionada pelo Temer: Lei 13.415/2017, muda para pior a LDB em diversos pontos/artigos. O novo Ensino Médio, só garante a inclusão de Matemática e Língua Portuguesa na grade curricular, além do que visa formar profissionais técnicos de nível médio como mão de obra barata para o mercado, bem como, dificultar o ingresso dos filhos dos trabalhadores nas universidades públicas.

Projeto de Lei da renegociação das dívidas dos estados e municípios com a união – PLP 257/16 Câmara ou PLP 54/2016 Senado; Permite a estados e municípios congelar salários; criar planos de demissão voluntária; alterar PCCRs e outras maldades mais contra os servidores públicos estaduais e municipais. Esse projeto de lei voltou do Senado a Câmara dos Deputados e foi aprovado no dia 18/04/2017. Será reencaminhado novamente para votação no Senado em regime de urgência.

No Pará, o governador Jatene, seguindo a política de ajuste fiscal de Temer, reduziu investimentos em educação, saúde, segurança; congelou salários dos servidores públicos, deu “canelada” no pagamento do piso salarial dos educadores estaduais 2016/2017; elevou a contribuição dos servidores estaduais de 11% para 14% do FUNPREV e do IASEP/PAS de 6% para 9%. E como “migalha aos pobres”… o governo estadual está anunciando que reajustará em 50 a 100 reais o valor do “vale tempero” dos servidores estaduais.

Na capital paraense, o prefeito Zé Cassado, também, usa o mantra da crise para cortar investimentos e precarizar, ainda mais, os serviços públicos municipais de saúde, educação, saneamento, cultura. Infelizmente em quatro anos de administração Zeraldiana, Belém virou um caos. A cidade está suja, esburacada, violenta… Isso é o “fazendo do jeito certo!”

A administração Zeraldiana adota a política neoliberal e meritocrática a ferro e fogo na rede municipal de Belém: extinção da EJA e do turno intermediário em várias escolas, inchando turmas do turno da manhã e tarde; a reforma, construção e climatização de escolas não saem do papel; falta de gestão democrática e indicação biônica dos diretore(a)s; assédio e perseguições são rotineiros nas unidades escolares. A Semec não garante PCCR e não paga o piso salarial nacional aos seus professores, além de negar a insalubridade aos funcionários operacionais.

O fórum de entidades municipais oficializou quatro solicitações de audiências com o prefeito para debater a campanha salarial/2017: 24/01; 08/02; 15/02 e 06/04/17, contudo, o alcaide tucano se nega a receber os representantes dos servidores para discutir as reivindicações. Inclusive no ato unificado do dia 15/02, na PMB, o “Z” se escondeu para não debater a pauta dos servidores.

A verdade é que o contexto é delicado e de incertezas. Os ataques aos nossos direitos ocorrem em escala federal, estadual e municipal. Contudo, não é momento de cruzar os braços e ficar esperando a tempestade passar. Só existe um caminho a classe trabalhadora brasileira para evitar perda de direitos: união, organização e luta. Então, vamos as ruas lutar contra as maldades de

Temer, Jatene e Zenaldo!

Assim, convocamos todo/as o/as trabalhadore/as da educação municipal a participarem do ato público da Greve Geral, no dia 28/04/17, com contração inicial no IPAMB às 7 horas, e posteriormente, ato na Praça da República às 10 horas. Sua participação é importantíssima. Não falte!

Fora Temer! Fora Jatene! Fora Zenaldo cassado!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários