Senado torna Dilma ré em processo de impeachment

Senado torna Dilma ré em processo de impeachment

senado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O plenário do Senado decidiu na madrugada desta quarta-feira, 10, dar continuidade ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, acatando a acusação de crime de responsabilidade. Por 59 votos a favor e 21 contra, os senadores aprovaram o parecer da Comissão Especial de Impeachment, tornando-a, com isso, ré no processo. A decisão abre caminho para legitimar o golpe dado por representantes do grande capital para assumir o controle do país, cassar direitos sociais e aprovar as reformas trabalhista e previdenciária, as privatizações e a entrega das riquezas nacionais.

Desde o início do processo a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora sempre se posicionou contra o golpe, mas deixou clara a sua posição de que o governo da presidente Dilma Rousseff é indefensável. Sob a tutela dela foram orquestrados, por exemplo, o PLP 257, que arrola a dívida dos estados e congela os serviços públicos por 20 anos, transferindo para a população a conta da crise.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Inocente sai, corrupto fica

Ontem, enquanto o Senado dava mais um passo para legitimar o golpe contra a democracia brasileira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sinalizou que vai jogar a cassação de Eduardo Cunha para o fim de setembro, em plena eleição municipal, quando pode não haver quórum na casa.

Também ontem (9), o delator Júlio Camargo afirmou ter ouvido do próprio Cunha que o ex-presidente da Câmara sustentava financeiramente mais de 200 deputados.

Leia parte da nota da última Resolução Nacional da Intersindical:

“A Intersindical Central da Classe Trabalhadora jamais apoiou a política de conciliação de classes e a opção pelo ajuste fiscal de recorte neoliberal dos governos presididos pelo PT que têm responsabilidades pela crise. Da mesma forma, nossa Central não vacilou quando se colocou a necessidade da ampla unidade popular para barrar a ofensiva do grande capital e da direita, que diante da crise internacional não tolera mais conciliar seus interesses com os de baixo, tampouco tolera os direitos sociais, econômicos, políticos e humanos garantidos pela Constituição de 1988. Defendemos profundo controle social para inibir práticas de corrupção que historicamente marcam as relações entre o poder público e o setor privado, além de defender punição aos corruptos e corruptores. Somos firmemente contrários aos desvios de recursos públicos em qualquer governo, mas entendemos que essa não é a questão que motiva as  movimentações pelo impeachment da presidenta afastada. Ao contrário, as forças que lideram esse  movimento são notoriamente corruptas”.

Data do julgamento

A base de apoio ao presidente ilegítimo, Michel Temer, trabalha para que o julgamento comece dia 25 de agosto para que o afastamento definitivo se dê ainda este mês. A previsão é de que essa etapa dure uma semana. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que conduz o julgamento, concorda com a data.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários