Resolução sobre os Povos do Campo

Resolução sobre os Povos do Campo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Alerta vermelho sobre os povos do campo

Como um tsunami de rejeitos tóxicos que destrói sonhos, comunidades, rios, animais, contaminam o mar infectam os corais e de forma indelével marca a vida do planeta em nome do perverso acúmulo do capital, das mineradoras, do agronegócio, da especulação financeira. O governo de ultra direita no Brasil vai aprofundar a agenda dos golpistas avançando sobre direitos e conquistas da classe trabalhadora no campo isso se manifesta perversamente mas nas medidas de desregulamentação nas medidas das estruturas gestoras de políticas públicas. Assim o código florestal e ambiental entregue ao agronegócio, as determinações sobre fronteiras agrícola abrindo as florestas desenfreada senha por lucro das commodities, das madeireiras e mineradoras avançam sobre os territórios quilombolas e indígenas, permite compra de terras por estrangeiros (uma violenta ameaça à soberania nacional). Desmonta a estrutura do Estado para aplicações de políticas públicas para os povos do campo, o fim do ministério do desenvolvimento agrário (MDA) e entrega do INCRA para a gestão do agronegócio. As mineradoras jogam solto, os índios e quilombolas, sem terra e camponeses, serem tutelados por nossos inimigos de morte. Nesse desafio de resistência e de unidade necessária da classe trabalhadora e dos povos do campo.

Este 2º Congresso da Intersindical aponta:

– lutar pela imediata reativação do MDA com os atributos da gestão de políticas públicas para os povos do campo e do mesmo modo o ministério do Meio Ambiente; – lutar pela reforma agrária ampla; – lutar contra a desregulamentação da normas de controle sobre a aplicação de agrotóxicos; – defesa da agroecologia e difusão da permacultura como matriz tecnológica desenfreada na central; – proibição da compra de terras por estrangeiros; – lutar por imposição de limite ao tamanho do latifúndio; – lutar pela garantia de benefícios e incentivos às comunidades populares e tradicionais pela preservação nos diversos biomas das nascentes fontes e reservas florestais; – regulação e taxação específica sobre os grandes consumidores de água (indústrias, agronegócio, mineradoras etc.) – lutar por educação no campo e do campo; – realizar no 2º semestre de 2019 o Seminário Nacional de Povos do Campo da Intersindical. São Paulo, 17 de março de 2019. 2º CONGRESSO DA INTERSINDICAL  CENTRAL DA CLASSE TRABALHADORA

CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários