Reforma tributária volta à agenda política do Congresso

Reforma tributária volta à agenda política do Congresso

Reforma tributária volta à agenda política do Congresso

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Nessa perspectiva, todos desejam uma reforma que vise a simplificação, harmonização, racionalização, e justiça fiscal, com o fim da guerra fiscal e a redução da evasão e da sonegação fiscal

Antônio Augusto de Queiroz*

Todo início de governo e de Legislatura, o debate sobre as reformas estruturais, como a política e a tributária, volta à tona. Desta vez, apesar da crise do sistema representativo, a prioridade está sendo o enfrentamento da crise fiscal do Estado, com a preferência conferida à reforma da Previdência, secundada pela tributária, ficando a reforma política em 3º plano.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Neste texto vamos tratar da reforma tributária, tema complexo e polêmico, com muitos gargalos e obstáculos para sua aprovação, a começar pelas 3 ordens de disputa que envolve:

1) os entes estatais e os contribuintes, um querendo aumentar sua carga e o outro querendo pagar menos tributos;

2) os 3 níveis de governo, cada um querendo aumentar sua participação no bolo tributário; e

3) entre as regiões, umas requerendo preservar renúncias fiscais e outras querendo eliminar tais incentivos.

Vamos abstrair, para o texto não ficar muito longo, o caráter regressivo dos tributos praticados no Brasil, e, principalmente, o fato de que sua maior incidência ocorre de forma indireta sobre a produção, o consumo e os serviços, prejudicando os mais pobres, enquanto em muitos outros países o maior volume de receitas advém dos impostos diretos, que incidem sobre a renda e o patrimônio.

Apesar da complexidade e das disputas que o tema envolve, há consenso na sociedade, no governo e no Parlamento sobre a necessidade de reformar o sistema tributário nacional, embora não exista nenhum acordo a respeito de seu conteúdo, exceto quanto a urgência de simplificá-lo e de torná-lo minimamente racional.

O diagnóstico sobre este aspecto é unânime: o sistema tributário é injusto, irracional, penaliza os mais pobres, estimula a evasão e a sonegação, e, operacionalmente, é muito caro para pagar e receber, tanto para os contribuintes quanto para os entes estatais.

Nessa perspectiva, todos desejam uma reforma que vise a simplificação, harmonização, racionalização, e justiça fiscal, com o fim da guerra fiscal e a redução da evasão e da sonegação fiscal.

Entretanto, desde o período Constituinte, nenhum governo reuniu maioria no Congresso para aprovar uma reforma com esse desenho ou digna desse nome. Além de arremedo de reforma tributária aprovada durante o governo Lula, tudo funcionou à base do improviso, com criação ou majoração de impostos, taxas e contribuições, com guerra fiscal, efeito cascata e arrecadação em bases precárias, como foi o caso da CPMF, além da desvinculação de parcela da receita da União, dos estados e dos municípios.

A crise fiscal do Estado brasileiro, que tem a reforma da Previdência como 1ª medida de enfrentamento, reabriu a janela de oportunidade para a realização de uma reforma tributária para valer, já que todos (governo, Congresso, mercado e sociedade) desejam e reivindicam mudança no modelo atual.

Todavia, em qualquer reforma, e na tributária com mais razão, inclusive pela complexidade e disputas envolvidas, o método de elaboração, o processo de negociação e a condução no Poder Executivo e no Congresso, são determinantes para seu sucesso. E, mais uma vez, há divergências na condução do tema entre o Executivo e o Legislativo, como de resto também existe em relação à reforma da Previdência.

O normal e natural, até porque dispõe das informações sobre a necessidade de financiamento do Estado e sobre os impactos que cada tributo pode ter na arrecadação, é que o Poder Executivo proponha e o Congresso vote a reforma tributária, podendo aperfeiçoá-la. Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumiu a liderança dessa matéria e pretende ter proposta do Legislativo sobre o tema, colocando o Poder Executivo na condição de coadjuvante na formulação do novo desenho tributário do País. Isso pode ser preocupante do ponto de vista do processo e até do resultado.

De qualquer modo, há forte movimento na direção do debate e da deliberação sobre o sistema tributária nacional, atendendo a antiga demanda da sociedade. E nessa perspectiva existem pelo menos 3 propostas em discussão sobre o tema.

Antes de tratar de cada uma, vale a pena rememorar como é o atual sistema tributário, cuja cobrança de tributos se dá de modo direto (renda e patrimônio) e indireto (produção, consumo e serviços), com impostos e contribuições cobrados pelos 3 níveis de governo: União, estados ou Distrito Federal e municípios.

Os tributos indiretos são:

1) no âmbito federal: o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), o PIS/Pasep (Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público), e a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);

2) no âmbito estadual: o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços); e

3) no âmbito municipal: o ISS (Imposto sobre Serviços).

Além destes, existem pelo menos mais 8 tributos (impostos e contribuições) cobrados pela União:

– IRPF/IRPJ – Imposto de Renda de Pessoal Física e de Pessoa Jurídica;

– Cide – Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico);

– CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquida;

– IE/II – Imposto sobre Exportação e Impostos sobre Importação;

– ITR – Imposto sobre Propriedade Territorial Rural;

– IOF – Imposto sobre Operações de Crédito;

– AFRMM – Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante e contribuições previdenciárias patronais.

Atualmente estão em debate, além das iniciativas da sociedade, como a proposta de “Reforma Tributária Solidária”, patrocinada pela Anfip (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) e pela Fenafisco (Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital), pelo menos 3 propostas oficiais de reforma tributária, todas voltadas para a simplificação do sistema tributário brasileiro, que além de complexo e caro, estimula a sonegação, a guerra fiscal e, em alguns casos, possui efeito cascata, beirando a bitributação.

A mais adiantada delas, já aprovada em comissão especial, é o substitutivo à PEC 293/04, do ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), mas que perdeu prioridade no Congresso, onde ganhou impulso a PEC 45/19, elaborada pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e apresentada pelo deputado Baleia Rossi (SP), líder do MDB. A proposta do governo Bolsonaro ainda está em fase de elaboração e só deve ser conhecida, em sua integralidade, em início de julho.

A proposta Hauly consiste na extinção de 8 tributos (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Cide-combustíveis, ICMS e ISS) e, em substituição a eles, na criação do IBS (Imposto sobre Operações com Bens e Serviços no âmbito da União), além de fundir o Imposto de Renda com a CSLL (Contribuição Social sobre Lucro Líquido) e criar um Imposto Seletivo, que irá taxar com alíquotas mais elevadas de determinados produtos, como veículos, combustíveis, telecomunicações, bebidas e cigarros, entre outros considerados sensíveis ou supérfluo.

A PEC 45/19, idealizada pelo economista Bernard Appy, representante do CCiF, é mais modesta, embora vá também na mesma linha da simplificação tributária. Ela cria o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), a partir da fusão de 5 tributos, sendo 3 federais (IPI, PIS e Cofins), 1 estadual (ICMS) e 1 municipal (ISS), que raciona a tributação sobre a produção, o consumo e os serviços, além de desburocratizar e evitar a guerra fiscal entre os entes da federação.

Por fim, a proposta do governo Bolsonaro, cujo conteúdo pouco se conhece, exceto as declarações do Secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, que defende a adoção do IU (Imposto Único), que incidiria sobre as transações financeiras e não sobre o consumo, como as demais.

Com exceção do Imposto Único, que teria vigência mais imediata e seria adotado em substituição aos tributos sobre renda, consumo, operações financeiras, lucro e contribuições patronais sobre a folha, todos os demais seriam implementados de forma gradual, ao longo de oito a dez anos.

O importante é que, apesar da diversidade de conteúdo e das disputas envolvidas, o sentimento é de que agora vai. O tema, que já tinha o apoio da sociedade e do setor produtivo, também ganhou espaço na agenda governamental e do Parlamento, deixando a impressão de que agora o Brasil fará uma reforma tributária.

Quando há vontade política, o entendimento se viabiliza. A tendência é que o debate sobre essas propostas resulte num texto que contemple aspectos de cada uma delas, criando as condições para a formação de maioria para a aprovação de um novo desenho do nosso sistema tributário, que ao mesmo tempo simplifique e barateie a cobrança de tributos e arrecade o suficiente para manter o Estado necessário, além de estimular o investimento e a geração de emprego e renda.

(*) Jornalista, consultor e analista político, diretor de Documentação licenciado do Diap, e sócio das empresas Queiroz Assessoria em Relações Institucionais e Governamentais e Diálogo Institucional e Análise de Políticas Públicas.

Fonte: DIAP


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários