Governistas vão tentar passar a reforma trabalhista nesta terça-feira (6) na CAE do Senado

Governistas vão tentar passar a reforma trabalhista nesta terça-feira (6) na CAE do Senado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Reforma trabalhista avança no Senado e corre o risco de ser tratorada
→ Quem é o empresário milionário que fez a reforma trabalhista passar irretocada em comissão do Senado
Centrais Sindicais convocam nova GREVE GERAL para dia 30 de junho


A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado já está preparada para votar nesta terça-feira (6), a partir das 10h, a proposta de reforma trabalhista do Governo Federal (PLC 38/2017) com as alterações perniciosas do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

Teoricamente, depois da votação na CAE, a reforma trabalhista passará por outras duas comissões antes de chegar ao Plenário do Senado: Assuntos Sociais (CAS) e Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A ordem de apreciação nessas duas comissões foi invertida a partir de um requerimento aprovado na última quarta-feira (31), de modo que a CCJ será o último colegiado a dar parecer sobre a proposta antes da análise em Plenário.

Ocorre que uma manobra regimental pode ocorrer nesse meio tempo: se algum senador pedir urgência no projeto e ele já tiver sido aprovado na CAE (presidida pelo megaempresário senador Tasso Jereissati ) , a reforma trabalhista segue direto para ser votada pelo plenário do Senado. Aí está o maior risco para a classe trabalhadora.

As outras comissões prosseguirão apenas se o governo achar que ainda não tem votos suficientes para ganhar com folga no plenário do Senado.

Terça-feira de luta

Na avaliação do analista político e assessor legislativo do Departamento Intersindical Parlamentar (Diap,  Neuriberg Dias, as centrais devem focar a pressão em parlamentares do PSB, PSD e PMDB, que serão o fiel da balança, a partir dos votos já mapeados entre governo e oposição.

“A reversão é possível, porque se o governo garantisse a aprovação da reforma trabalhista já teria acelerado a votação. Tanto na comissão quanto no plenário, se passar, esses partidos é que vão dar a tendência de rejeição ou aprovação”, avaliou.

Senadores de oposição apresentaram três votos em separado (relatórios alternativos) defendendo a rejeição completa do PLC 38/2017. Um deles é assinado por cinco representantes do PT na comissão: Fátima Bezerra (RN), Gleisi Hoffmann (PR), Lindbergh Farias (RJ), Paulo Paim (RS) e Regina Sousa (PI). Os outros foram apresentados individualmente pelas senadoras Lídice da Mata (PSB-BA) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

O presidente da CAE, Tasso Jereissati (PSDB-CE), deve conceder a palavra, logo no início da reunião desta terça, para que os senadores de oposição à proposta  leiam seus votos em separado. Com isso, a reunião pode se prolongar. Mas a previsão é de votação da reforma trabalhista na CAE entre o fim da tarde e início de noite.

Relembre a tramitação polêmica

A passagem da reforma pela comissão tem sido polêmica pois tem seguido a mesma política adotada pela Câmara dos Deputados: uma tramitação teatral e antidemocrática.

Alexandre Caso, da Intersindical Central da Classe Trabalhadora,  que tem acompanhado de perto o trâmite em Brasília, denuncia a sucessão de absurdos: “O relator Ricardo Ferraço saiu no meio da penúltima reunião, não ouviu o discurso dos trabalhadores ali representados e depois chegou para ler seu relatório pronto, ou seja, já estava com sua convicção pronta não importavam os argumentos e os presentes ali, por isso os senadores de oposição protestaram e houve aquele tumulto para impedir que ele lesse o relatório no mesmo dia. Então o presidente da comissão Tasso Jereissati deu o texto como lido!”.

Na audiência seguinte (semana passada), um acordo foi feito com a oposição. Ferraço de fato leu o relatório na última terça-feira (30)  e a votação ficou para esta semana (6). 

Mesmo com o acordo, a oposição ainda questiona o andamento da proposta. A senadora Vanessa Grazziotin cobra o envio do projeto para a Mesa do Senado a fim de que seja analisado o seu requerimento de anexação de outras propostas que tratam de mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O pedido foi rejeitado pela CAE, mas ela informou que vai recorrer da decisão ao Plenário.

Foto: George Gianni


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários