Reforma da Previdência de Bolsonaro: idade mínima de 65, tempo de contribuição de 40 anos e privatização

Reforma da Previdência de Bolsonaro: idade mínima de 65, tempo de contribuição de 40 anos e privatização

Em defesa da aposentadoria, democracia e a autodeterminação dos povos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Reforma da Previdência de Bolsonaro

Na tarde de ontem, o jornal O Estado de S. Paulo antecipou o conteúdo da Reforma da Previdência formulada pela equipe econômica de Bolsonaro, sob comando do banqueiro Paulo Guedes.

Segundo o jornal, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) prevê o fim da aposentadoria por tempo de contribuição (regra 86/96), que corresponde a cerca de 30% dos benefícios.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A única forma de acessar a aposentadoria seria via idade mínima.

Atualmente, nessa modalidade, o homem acessa o benefício aos 65 anos e a mulher aos 60, com no mínimo 15 anos de contribuição ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para ambos. O valor é de 70% da aposentadoria integral (média dos 80% maiores salários) mais 1% por ano de contribuição. Assim, 30 anos de serviço dão direito à aposentadoria completa.

A proposta de Reforma da Previdência de Bolsonaro aumenta as exigências tanto para a idade mínima, igualando os 65 anos para homens e mulheres, quanto para o tempo de contribuição, fixado em 25 anos para obter apenas 60% do benefício.

Ou seja, além de exigir dez anos a mais de contribuição previdenciária, o valor inicial da aposentadoria é reduzida em 10%.

De acordo com O Estado de S. Paulo, para acessar 100% do benefício, serão necessários 40 anos de contribuição.

Hoje, um homem com 61 anos idade e 35 de contribuição consegue acessar a aposentadoria integral, pois a soma (61 + 35) atinge os 86 pontos necessários da fórmula. Este trabalhador precisaria de mais cinco anos de serviço para acessar ao benefício completo aos 66 anos.

No caso das mulheres, a mudança é mais dramática. Atualmente, uma trabalhadora com 56 anos de idade e 30 de tempo contribuição se aposenta com 100% do benefício. Com a PEC, seriam necessários mais dez anos de atividade.

LEIA MAIS:

Exemplo chileno: por que capitalização na Previdência gera pobreza e desigualdade?

Texto: Matheus Lobo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários