Cinco medidas econômicas para financiar a Previdência Social e esquecer a “Deforma” do governo

Cinco medidas econômicas para financiar a Previdência Social e esquecer a “Deforma” do governo

A Previdência que queremos!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Previdência que queremos!

Frente Povo Sem Medo, que reúne organizações políticas, sindicatos e movimentos sociais, lançou o documento “A Previdência que queremos: pelo respeito ao pacto social de 1988”, em evento no Dieese, na semana passada. Para a PSM, a reforma proposta pelo governo Bolsonaro é “destrói o modelo de sociedade pactuado ao longo do processo de redemocratização”. O caminho para preservar a sustentabilidade da Seguridade Social, nos moldes da Constituição Federal e em oposição à reforma do governo Bolsonaro, passaria “pela ampliação das fontes de financiamento através de uma estrutura tributária mais progressiva e menos incidente sobre o consumo e a produção e pelo melhor controle sobre as suas receitas”.

Após o diagnóstico e crítica às intenções de Bolsonaro e Guedes, a PSM apresenta cinto medidas econômicas para gerar maior arrecadação à Seguridade Social.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Reforma que simplifique a estrutura tributária e promova maior incidência sobre renda e patrimônio

“Do ponto de vista estrutural, a carga tributária brasileira é extremamente regressiva, isto é, penaliza os mais pobres (impostos sobre o consumo) e não tributa os mais ricos (renda e patrimônio). Essa estrutura contribui para a sensação de se pagar impostos de maneira excessiva no Brasil, tendo em vista sua concentração de tributos em bens e serviços, que afeta proporcionalmente mais a população mais pobre e a classe média”, afirma o documento. A estrutura de “baixíssima tributação das altas rendas” faz com que “indivíduos que ganham mais de R$ 320 mil por mês tenham mais de 70% da renda isenta de tributação”.

Para a Frente Povo Sem Medo, a estrutura tributária precisa caminhar para a “simplificação que, necessariamente, deve vir acompanhada por maior incidência sobre renda e patrimônio deve garantir a continuidade dos mecanismos de financiamento da seguridade social”.

Fim das isenções fiscais

O documento afirma que as isenções fiscais devem superar os R$ 300 bilhões em 2019, equivalente a 4,12% do PIB, contra R$ 159 bilhões de déficit primário. “Curiosamente, essas isenções raramente são questionadas quando se discute o Orçamento Público, que tem a Previdência Social como componente”, questiona o documento.

Combate à sonegação

Outro fator bilionário que afeta as contas públicas é sonegação fiscal. “Segundo o Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), a sonegação foi estimada em 2016 em mais de R$ 570 bilhões“, aponta a PSM. Por outro lado, o somatório de todos os benefícios previdenciários para 2019 é de R$ 637 bilhões. “Ou seja, no limite, o combate à sonegação e parte das isenções fiscais seriam suficientes para cobrir todos os benefícios previdenciários do país”.

Fim dos REFIS (parcelamento de dívidas tributárias)

A Frente Povo Sem Medo afirma que a “sonegação no Brasil, além de não ser crime, é premiada por sucessivos programas de refinanciamento”. Isso deve aos seguidos programas de refinanciamento de dívidas tributárias. “Segundo estudo da Receita Federal, os REFIS incentivam os contribuintes a postergar o pagamento de suas dívidas tributárias à espera de um novo programa de parcelamento, com descontos generosos de multa e juros, influenciando negativamente o comportamento dos contribuintes e da arrecadação convencional. É estimado uma perda de R$ 18,6 bilhões por ano na arrecadação de obrigações tributárias correntes“, alerta.

“Apenas o último grande REFIS do governo Temer perdoou R$ 47 bilhões de dívidas de 131 mil contribuintes, conforme divulgado na imprensa, com base em Nota divulgada pela Receita Federal. Com esse valor, seria possível pagar quase 80% do BPC previsto para 2019, estimado em R$ 60 bilhões, e que é alvo central de ataque pelo governo na Reforma da Previdência”, destaca a PSM.

Cobrança da divida pública

No último ponto, a Frente Povo Sem Medo defende um plano de resgate da dívida previdenciária, que em 2017 era de R$ 432,9 bilhões, segundo dados constantes da Exposição de Motivos da Reforma da Previdência.

“Ainda que não se possa recuperar a integralidade deste valor, não se pode desprezar essa iniciativa. São recursos de empresas e entidades com capacidade de pagamento, que utilizam os programas de refinanciamento do governo, como mencionado anteriormente”, sustenta o documento. “Pressionar para a fiscalização e cobrança dessas dívidas é uma parte importante na garantia da viabilidade financeiro do arranjo estabelecido na Constituinte.”

Vídeo: assista ao lançamento do documento ‘A Previdência que Queremos’

Texto: Matheus Lobo

[wd_hustle id=”social-icons-fim-de-texto” type=”social_sharing”]

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários