PM cria mega operação para evitar marcha até a casa de Temer

PM cria mega operação para evitar marcha até a casa de Temer

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Uma nona marcha de manifestações contra o governo de Michel Temer, por eleições diretas e contra a retirada de direitos civis, trabalhistas e previdenciários foi realizada quinta-feira (9), em São Paulo, sob forte esquema de segurança por parte da PM.

Cerca de 15 mil manifestantes das Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular caminharam do Largo da Batata, zona Oeste de São Paulo, até à casa do novo presidente, no Alto de Pinheiros. O  objetivo do ato, realizado durante a semana,  é manter uma mobilização constante. Para o próximo domingo (11) se espera milhares na avenida Paulista, assim como ocorreu no domingo passado (4).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Apesar da previsão de participantes ser bem menor, a PM promoveu uma revista geral em quem tentava se aproximar das imediações, cercou o local de viaturas, motocicletas e helicópteros. Uma das saídas da estação de metrô Faria Lima foi fechada.

Antes do início da caminhada, jornalistas se concentravam num canto do Largo da Batata usando máscaras de gás e capacetes, na tentativa de se protegerem contra possíveis ataques da Polícia Militar.

Três blindados Guardião, carros que lançam água e bombas de efeito moral, foram estacionados no Largo da Batata. 

O militante do Movimentos dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Josué Rocha, leu uma carta aberta endereçada ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), assinada por professores, intelectuais, juristas e artistas:  “A ação desproporcional e truculenta da PM é inadmissível em um Estado de Direito. É um padrão que se repete no dia a dia contra o povo pobre das periferias. O uso da violência atinge o coração do regime democrático. A preservação da ordem não pode justificar o uso da violência desproporcional, o excesso e o arbítrio. Se se quer preservar o direito democrático, essas coisas não podem prevalecer.”

fora-temer-alemaciel-8

fora-temer-alemaciel-2

fora-temer-alemaciel-3

fora-temer-alemaciel-1

fora-temer-alemaciel-4

fora-temer-alemaciel-5

fora-temer-alemaciel-6

fora-temer-alemaciel-7

fora-temer-alemaciel-9

fora-temer-alemaciel-10

fora-temer-alemaciel-11

fora-temer-alemaciel-12

fora-temer-alemaciel-13

fora-temer-alemaciel-14

fora-temer-alemaciel-16

fora-temer-alemaciel-17

fora-temer-alemaciel-18

fora-temer-alemaciel-19

fora-temer-alemaciel-20

fora-temer-alemaciel-21

fora-temer-alemaciel-22

fora-temer-alemaciel-23

fora-temer-alemaciel-24

fora-temer-alemaciel-25

fora-temer-alemaciel-30

fora-temer-alemaciel-31

fora-temer-alemaciel-26

fora-temer-alemaciel-27

fora-temer-alemaciel-28

fora-temer-alemaciel-29

fora-temer-alemaciel-32

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários