Participantes de audiência afirmam que não há apoio da OIT à reforma trabalhista

Participantes de audiência afirmam que não há apoio da OIT à reforma trabalhista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Reforma trabalhista: votação na CCJ dia 28/06 e no plenário do Senado dias 5 e 12/07
→ Governo sofre derrota de reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais
→ Baixe o jornal da Greve Geral do dia 30/06


Convidados de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos (CDH), na segunda-feira (19), apontaram como falsas as afirmativas de que o projeto da reforma trabalhista (PLC 38/17) obteve a chancela da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Para os convidados, além de nunca ter existido manifestação de apoio de qualquer instância da OIT à proposta, as linhas da reforma colidem frontalmente com princípios consagrados nas convenções internacionais criadas a partir dos esforços dessa agência, braço da Organização das Nações Unidas (ONU) para questões de trabalho.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Foi lembrado que a OIT, por meio de sua Comissão de Peritos, divulgou relatório após a recente Conferência de Genebra no qual condena a aplicação da negociação coletiva com o objetivo de flexibilizar direitos definidos em lei, na linha que estaria sendo seguida pela reforma trabalhista brasileira.

Negociação deve ser para ampliar direitos

De acordo com o representante do Ministério Público do Trabalho, Renan Bernardi Kalil, o comitê deixou claro que a negociação coletiva foi concebida para estabelecer condições de trabalho mais favoráveis do que aquelas estabelecidas em lei, “não para rebaixar direitos”.

“Cria-se uma situação em que trabalhadores não vão mais querer usar a negociação coletiva. O instrumento terá sua credibilidade afetada diante da sociedade, ficando prejudicado o processo de pacificação social, que é, afinal, o que se deseja”, criticou.

Afronta às convenções da OIT

A vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Noemia Aparecida Garcia Porto, foi enfática ao dizer que o projeto afronta tanto a Constituição como as convenções da OIT, a exemplo da Convenção 98, que trata do direito de organização e de negociação coletiva. Observou que o texto acaba com o sistema obrigatório de financiamento dos sindicatos, mas sem definir transição ou soluções alternativas. Na prática, concluiu, haverá o desmantelamento da representação dos trabalhadores, uma “ofensa à liberdade sindical”.

“Preponderaria, sem dúvida, um sistema anômalo, muito mais grave para a liberdade sindical do que o atualmente vigente”, afirmou.

Para Noemia, o resultado geral da reforma é a descaracterização do “caráter protetivo” do Direito do Trabalho no Brasil. Como exemplo, destaca a precarização das normas relativas à segurança e saúde no trabalho, com a admissão da possibilidade de negociação sobre o grau de insalubridade, o pagamento por produtividade e a prorrogação da jornada em ambientes insalubres sem licença prévia dos órgãos competentes.

Pareceres divergentes

Nesta terça-feira (20), a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) rejeitou, por 10 a 9, o parecer do relator, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). Foi aprovado, simbolicamente, o voto em separado do senador Paulo Paim (PT-RS). Na semana passada, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou o projeto, nos termos do parecer de Ferraço.

O projeto ainda vai ser examinado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde recebeu parecer favorável do relator, senador Romero Jucá (PMDB-RR). A discussão do projeto na CCJ vai ser nesta quarta-feira (21). A votação vai ser na próxima semana, quarta (28). Em seguida estará pronto para votação no plenário.

Fonte: DIAP com Agência Senado
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários