MP 881/19: Precarização radicalizada é aprovada na Câmara

MP 881/19: Precarização radicalizada é aprovada na Câmara

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

MP 881/19, a “minirreforma trabalhista”, também apelidada de “Liberdade Econômica” é, na verdade, a radicalização da flexibilização das leis trabalhistas

A agenda do Congresso Nacional tem como prioridade a retirada de direitos. Exemplo disso ocorreu nesta terça-feira, dia 13 de agosto, quando a Câmara dos Deputados aprovou, com 345 votos a favor e 76 contra, o texto base da Medida Provisória 881/2019 (MP), que agora irá para a fase da votação de destaque no texto.

A MP altera a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), a parte que sobrou na Reforma Trabalhista de Temer (2017), e segue a tendência de aumentar a exploração dos trabalhadores por meio a precarização das relações de trabalho.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Caso não ocorra mudanças no texto, a MP 881/19 irá autorizar o trabalho aos domingos e feriados para todas as categorias profissionais. 

O descanso semanal remunerado só precisará coincidir com o domingo a cada quatro semanas, sem a necessidade de rodízio conforme previsto na CLT. 

A MP ainda desconsidera as jornadas diferenciadas, como de bancários e jornalistas, que passarão a trabalhar também aos sábados, desconsiderando convenções coletivas destas categorias.

A MP de autoria do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) foi encomendada pelo setor empresarial e tem como objetivo ampliar a jornada de trabalho e evitar novas contratações de funcionários. É, portanto, uma medida contrária a criação de empregos e que só beneficia os patrões.

Outra mudança está no controle da jornada de trabalho para empresas com menos de 20 funcionários, nas quais não será mais exigido o registro de ponto, que fica apenas restrito a horas extras, afastamentos e férias. 

A MP ainda revogou total ou parcialmente 25 artigos da CLT. Instituiu a Carteira de Trabalho Eletrônica, que retira do controle do trabalhador e do sindicato o acesso aos dados da vida laboral dos empregados. 

O Diretor Executivo da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, o bancário Alexandre Caso, acompanhou os debates da MP 881 na Câmara dos Deputados. Para ele “a MP 881/19 aprovada ontem na Câmara dos Deputados é uma sentença de morte ao emprego. Além de obrigar todas as categorias, sem exceção, trabalhar todos os domingos e feriados, incentiva o aumento do desemprego, pois aumenta a jornada semanal de trabalho. De uma lado dá mais liberdade aos bancos e aos grandes grupos econômicos para ficarem ainda mais ricos, de outro, tira a liberdade de convivermos com nossas famílias e amigos aos domingos e feriados.“.

A agenda de desmonte da legislação trabalhista é contrária a Constituição Federal, ofende o princípio da dignidade humana, conforme a opinião de especialistas na área. Foi o caso da manifestação da ABRAT – Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas, que em nota declara: “A ABRAT defende que não se pode, em nome da “liberdade empresarial”, “pisotear” normas internacionais subscritas pelo Brasil, nem afastar ou dificultar a aplicação dos princípios constitucionais.”

Parlamentares da oposição ajuizaram ação do STF questionando diversos pontos da MP 881/2019, destacando que a mesma altera dispositivos constitucionais, inclusive no capítulo sobre a ordem econômica brasileira. Uma Medida Provisória, segundo a ação, não pode alterar um dispositivo da Constituição Federal, em especial aquele que é o pilar da organização social brasileira.

Texto: Pedro Otoni
Charge: Laerte Coutinho

[wd_hustle id=”social-icons-fim-de-texto” type=”social_sharing”]

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários