Luta contra Shell-Basf é destaque no Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho

Luta contra Shell-Basf é destaque no Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho

Caso Shell-Basf é destaque no Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Caso Shell-Basf é destaque

Na manhã de hoje, 28 de Abril – Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho, o Sindicato Químicos Unificados realizou uma atividade para lembrar a história de luta contra as multinacionais Shell Brasil e Basf S.A, que causaram a contaminação do solo, ar, água, trabalhadores e moradores do entorno da planta industrial localizada no bairro Recanto dos Pássaros em Paulínia.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Cerca de 70 ex-trabalhadores faleceram em razão das contaminações e muitos outros desenvolveram doenças diversas. As duas multinacionais foram condenadas pela Justiça em 2013, após 12 anos de batalha judicial, em uma das maiores ações trabalhistas do Brasil em valores e número de envolvidos.

A atividade, realizada na sede da Regional Campinas, reuniu ex-trabalhadores da Shell/Basf, familiares, coordenadores da Atesq (Associação de Trabalhadores Expostos a Substâncias Químicas) e dirigentes sindicais.

Durante a abertura, o dirigente do Unificados, André Alves, destacou o caráter formativo da programação, que contou com a exibição do filme ‘O Lucro Acima da Vida‘ e falas de dirigentes do Unificados e da coordenação da Atesq.

“Relembrar esta história é muito importante, especialmente para os novos dirigentes sindicais, pois a exposição a substâncias químicas acontece em diversas indústrias. Vamos levar o aprendizado desta atividade, desta história de luta, para transformar a realidade dentro das fábricas.”, afirmou André Alves.

Contra agrotóxicos, a luta permanente

Para um dos coordenadores da Atesq, Francisco Tavares (na foto, ao microfone e ao lado dos dirigente sindicais André Alves e Ana Maria), a luta continua mesmo após a condenação das multinacionais pela Justiça.

Pela condenação, elas foram obrigadas a custear todo o tratamento médico, hospitalar e ambulatorial, inclusive com medicação e transporte, de ex-trabalhadores e filhos, além de acompanhamento e atendimento vitalício à saúde, plano dentário, além do pagamento de indenizações por dano moral individual e coletivo.

“Dentro das fábricas, nem os melhores equipamentos de proteção individual (EPIs) não impedem a exposição ao risco, como ocorreu conosco.”, alertou Tavares. Para ele, enquanto agrotóxicos continuarem a ser fabricados, trabalhadores do campo, das indústrias e a população em geral continuaram a ser expostos a substâncias químicas nocivas à saúde.

Postos de trabalho saudáveis

O coordenador geral da Atesq, Antonio de Marco Rasteiro (na foto, ao microfone), reforçou a necessidade de união dos ex-trabalhadores para a manutenção das conquistas. “Aprendi muito com todos os companheiros de luta, mesmo com aquele que vinha e não falava nada. A presença é muito importante.

Quando estamos unidos, temos força para vencer. Nossa história é exemplo para a luta em outras fábricas. Temos que continuar essa batalha para que os postos de trabalho sejam saudáveis e que as pessoas não desenvolvam doenças ocupacionais.

Origem da data

O 28 de Abril – Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho surgiu no Canadá por iniciativa do movimento sindical, e logo se espalhou por diversos países, organizado por sindicatos, federações, confederações locais e internacionais.

A data foi escolhida em razão de um acidente que matou 78 trabalhadores em uma mina no estado da Virgínia, nos Estados Unidos no ano de 1969.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), desde 2003, consagra a data à reflexão sobre a segurança e saúde do trabalhador.

O Sindicato Químicos Unificados historicamente participa das mobilizações deste dia, com a realização de palestras, encontros e de assembleias em fábricas símbolos que desrespeitam, de forma rotineira e assumida, a segurança de seus trabalhadores.


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Facebook Intersindical

Instagram Intersindical

YouTube Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários