Resolução: Em Defesa da Democracia: LULA LIVRE!

Resolução: Em Defesa da Democracia: LULA LIVRE!

Resolução: Em Defesa da Democracia: LULA LIVRE! | INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

EM DEFESA DA DEMOCRACIA: LULA LIVRE!

A prisão do presidente Lula é um acinte à democracia, à Constituição Federal, e indigna milhões de trabalhadoras e trabalhadores. Baseado em um julgamento repleto de vícios e inconstitucionalidades para intervir nas eleições de 2018, Lula foi condenado a ficar mudo e encarcerado para não poder falar com o povo. A toga age como chefe de partido do capital financeiro e da direita para impor e manter um golpe que visa permitir ao rentismo se apropriar ainda mais da riqueza produzida pelo trabalho, da renda pública e dos bens naturais.

Esta condenação e prisão não tem outra razão senão impedir que o ex-presidente seja candidato à presidência da república. Lula segue sendo o candidato com maior aceitação popular e o líder em todas as pesquisas. Encarcerar Lula e impedi-lo de ser candidato agride não apenas o direito do maior líder popular do Brasil. Viola, sobretudo, o direito de milhões de pessoas que pretendem votar no petista.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em um ato de dignidade e profundo significado de classe, Lula permaneceu no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, que retornou ao centro do palco da luta de classes no Brasil, protegido por milhares de trabalhadoras e trabalhadores indignados com a injustiça de mais um golpe do Estado de exceção. A resistência democrática em São Bernardo ganhou os olhares do Brasil e do mundo e enfrentou por longas horas a ilegal e arbitrária ordem de prisão expedida pelo juiz de primeira instânciada comarca de Curitiba, Sérgio Moro. Lula, em um discurso histórico, captou a indignação popular e desmascarou a trama que levou a sua condenação, e ainda indica que sua prisão não acaba com o significado de seu legado, mas transfere ao povo e as suas organizações a responsabilidade de seguir construindo o projeto de ampliação dos direitos sociais e defesa da democracia e soberania. A Intersindical estava lá, do lado certo da história, em defesa de Lula, da democracia e da soberania, apoiando e fortalecendo a resistência democrática frente ao golpe, assim como estivemos em todas as lutas contra o impeachment golpista da presidenta Dilma Rousseff.

Não resta dúvida que o encarceramento do Lula e a tentativa de retirá-lo da disputa eleitoral deste ano não é o ato final do golpismo. É um meio para seguir encaminhando a agenda antipopular e antinacional do golpe e abrir campo para um amplo processo de repressão institucional contra a sociedade civil organizada, lideranças sindicais e populares. Desta forma, amplia o estado penal-repressivo e oreduz na sua função de garantidor de direitos sociais e seu papel na economia.

A prisão de Lula inaugura uma nova etapa do golpe que tem como perspectiva consolidar o fascismo como pensamento orientador da condução do estado e da sociedade. Para isso, o judiciário colaborou com esta trama ao retirar garantias legais mínimas a Lula no processo que o condenou sem provas.Também a Rede Globo e demais meios de comunicação empresariais, por instigarem o ódio ao manipular os fatos e criar uma narrativa de condenação antes mesmo do devido processo legal. E ainda, as instituições patronais, que financiam grupos de extrema direita, que começam a agir como bandos violentos e agentes de disseminação do medo no seio da população. Em síntese: o fascismo é a natureza política do golpe, que envolve o sistema de justiça, os meios de comunicação e o empresariado em torno de uma agenda antinacional e antipopular que estabelece como inimigo o povo trabalhador e a militância social e democrática.

A intervenção militar no Rio de Janeiro, a execução de Marielle e Anderson, os atentados contra a caravana e a prisão de Lula fazem parte da marcha do fascismo no curso do golpe. Mas não termina com a prisão do ex-presidente, continua com a ampliação da Lei Antiterror, que tem como objetivo tipificar as ocupações de terras rurais e urbanas e as manifestações sociais como ato de terrorismo; continua na ampliação dos aparatos repressivos que aprofundam o estado penal e o combate aos pobres, continua na entrega das terras, das águas, dos recursos estratégicos brasileiros para o capital estrangeiro. A prisão de Lula é, portanto, o sinal mais claro que a guerra contra os trabalhadores e o povo está em pleno curso, ela testa a capacidade de resistência dos setores democráticos, ela indica que daqui por diante, não há mais nenhuma mediação com o povo.

Não pode haver arrego frente ao golpismo e ao fascismo. A resposta à prisão de Lula deve ser dada na ampliação da organização e mobilização da classe e de todo o povo. Com o objetivo de defender das liberdades democráticas, combater à escalada autoritária, defender os direitos da classe trabalhadora e o patrimônio nacional.

Diante desse agravante cenário a nossa central defende a mais ampla unidade em uma frente democrática e comitês locais em defesa da democracia e do direito de defesa de Lula.’

São Paulo, 08 de abril de 2018.
Direção da Intersindical Central da Classe Trabalhadora


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Julo E.Paiva
Julo E.Paiva
3 anos atrás

Concordo com a leitura que a Interssindical faz da conjuntura nacional…Agora no meu ponto de vista vejo uma conspiração para apoderaren-se sob o comando de Trump um “ex Cucusklam ” das fontes naturais das nossas riquezas mineirais e territoriais do amazônas ; além de : Desmobilizar os Centros de Pesquisas científicos e tecnologicos brasileiros com um único objetivo : Não admitir que o Brasil seja uma referência de desenvolvimento nas áreas mais avançadas da C&T e de avanços na cultura e do desenvolvimento social.(tendo em vista que o potencial do Brasil para ser um ator de vanguarda no mundo ) faz com que: EUA e seus comparssas do CONSENSO DE WUOSCHITON vejam sua “soberania” ameaçada no continente latino americano e no mundo .
Não é segredo que : Temer ,Sérgio Mouro ,Serra,Alkimim, Aécio Neves,e os partidos conservadores e as embaixadas Brasileiras que fazem a “ponte” nestes países, estão compromissados com este projeto de destruição das oposição progressistas da esquerda e dos direitos sociais da nação brasileira.
Os grandes grupos da mídia no Brasil estão concentrados nas mãos de poucos que comandam e induz o povo a uma falsa estabilidade social e econômica.
Os partidos progressistas comprometidos em mudar os rumos de derrotar os golpistas tem que atuar : interagindo politicamente com o povo esclarecendo através de debates convincentes que:A mídia através destes agentes criminosos estão induzindo o povo a fazer um falso juízo dos partidos de esquerda dizendo o seguinte : “Eles
sao comunistas ,argumento está que a Ditadura Militar usou para ; prender e matar brasileiros e outros conterraneos dos paizes em que eram oposição a estes governos sanguinários que atuou em conjunto nos da America do Sul.
A palavra de ordem é…As oposições dos partidos progressistas unirem-se em torno de um novo projeto de mudança institucional no Brasil e , em conjunto enfrentar este modelo neoliberal que vida o “retorno ao século 19 ….Comendo pelo.Brasil…isto nos não podemos permitir e devemos resistir até a última gota de sangue, para preservar os direitos das novas gerações de brasileiros!!

Luis Rafael
Luis Rafael
3 anos atrás

Boa tarde.
Gostaria de saber se e como a Intersindical tem buscado sensibilizar direções de sindicatos com inspiração abertamente próximas à própria INTERSINDICAL, como seria o caso (penso eu) do SINTRAJUFE-RS, Sindicato de trabalhadores do Judiciário Federal aqui do Rio Grande do Sul, de modo a atuarem e favor das ideias preconizadas no texto acima (bem colocadas, por sinal).
Digo isto porque, para sindicatos como o citado, parece não haver nem ter havido GOLPE neste país, desde 2016, e muito menos que a prisão POLÍTICA do sindicalista e ex-presidente Lula seja algo aberrante ou minimamente motivador de qualquer debate, comentário ou consideração para a pauta sindical dos trabalhadores em geral.
Grato!