Amauri Soares: A liberdade de Lula é mais que um projeto de governo

Amauri Soares: A liberdade de Lula é mais que um projeto de governo

A liberdade de Lula é mais que um projeto de governo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Por Amauri Soares*

Só não viu quem não quis ou quem, por razões ideológicas, não quis ver, que o processo contra o ex-presidente Lula estava viciado desde o início.

Lula está preso há um ano e dois meses por conta do triplex do Guarujá, que nunca foi dele. Se existe prova neste processo é justamente que Lula não é e nunca foi dono do tal apartamento. Até a justiça reconhece isso, quando determina que seja devolvido à família de Lula o valor que dona Marisa pagou para adquirir cotas do empreendimento.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Agora tem provas em abundância para comprovar que Lula foi preso a partir de um conluio de agentes políticos travestidos e procuradores e juízes. Por certo, ainda vai aparecer mais gente envolvida nessa trama. Esta constatação material é suficiente para soltar Lula e processar quem o prendeu. Mas o assunto desta postagem não é este.

Queremos aqui falar da dificuldade de ampliar o movimento pela liberdade do ex presidente Lula, tendo como objetivo traçar algumas modestas sugestões de como superar situações de desconforto na relação política entre os diversos setores do campo popular.

É “natural” que, para a militância petista, o movimento Lula Livre seja também e de imediato um projeto político e de governo. Tipo assim: soltar Lula, chamar nova eleição, eleger Lula e retomar o caminho dos governos encabeçados pelo PT. É compreensível que a militância petista pense assim, e tem muito mais gente nesta mesma balada tática. Mas esta fórmula não contempla diversos setores do movimento popular, especialmente os situados à esquerda.

Não achamos que este deva ser o momento de procurar os pontos que nos diferenciam, e eles existem e não são poucos. Mas também é um erro grosseiro pensar que agora somos todos iguais, e que todos temos que rejubilar com a hipótese de voltarmos a ter governos petistas. Existiam dificuldades e diferenças enormes em termos de projeto e de formato. E qualquer unidade só é possível se reconhecidas estas divergências. Não queremos a imolação de ninguém, muito menos em praça pública, mas a autocrítica nos espaços internos do movimento precisa ser uma realidade objetiva.

Por outro lado, é inaceitável a postura de setores do campo popular e de esquerda que ajudaram ou ainda ajudam a colocar panos quentes nas ações arbitrárias e ilegais da LJ. Lula foi preso por motivação política e a partir de métodos ilegais, e isso por si só deveria bastar para que todos os defensores da democracia exigissem sua liberdade antes do próximo passo.

O que dificulta a unidade efetiva de todos os campos que defendem a liberdade do ex presidente Lula são justamente as divergências de projetos políticos ou mesmo de projetos de governo. E são dificuldades provocadas por erros em ambos os lados. O amplo campo petista coloca junto, na mesma frase, na mesma ideia, numa sequência tática automática, um projeto político e de governo: liberdade do Lula, nova candidatura do Lula, novo governo do Lula.

Essa postura “natural” para o campo petista e de aliados permanentes interdita a participação nestes espaços de todos os outros setores que não se sentem confortáveis com a proposta Lula solto – Lula candidato – Lula presidente – todos os problemas resolvidos.

Por outro lado, é inadmissível que setores do campo popular e democrático ainda se portem como quem quer aproveitar a prisão do Lula para projetar-se ou para projetar o seu candidato. Se alguém se importa pouco com a prisão política e ilegal de um ex presidente da República, por certo não deveria ser considerado do nosso campo. Também o esquerdismo principista perdeu apoio popular nos últimos anos, especialmente os setores que flertaram com o golpismo alegando ser a ante sala da revolução proletária (uma falha grave de avaliação, que sempre leva a erros táticos demolidores).

É necessário que se perceba que a campanha pela liberdade do ex presidente Lula não pode ser um projeto de governo, pois isso inviabiliza que qualquer outro setor se aproxime. Isto posto, é necessário que todos os setores do campo popular, democrático e de esquerda assumam abertamente a luta pela liberdade do Lula, sob o risco de perder o bonde da história, e se afastar do conceito de Solidariedade.

Lula Livre é uma campanha de solidariedade política e de classe, e não um projeto de governo. A dignidade nacional, neste momento, depende da liberdade do ex presidente Lula e da responsabilização de quem aviltou a Constituição Federal para prendê-lo. Se todas as forças populares, democráticas e de esquerda perceberem isso e se portarem de acordo com essa compreensão, Lula estará solto em poucas semanas. E todos estaremos livres para discutir o futuro do Brasil.

São José – SC, 16 de junho de 2019
*Amauri Soares é Diretor da Intersindical Central da Classe Trabalhadora

PS: Parabéns a todas e todos que somamos milhões no último dia 14, lutando em defesa da Previdência Social e contra a PEC 06/2019, do governo Bolsonaro!

[wd_hustle id=”social-icons-fim-de-texto” type=”social_sharing”]

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários