fbpx

Intersindical destaca necessidade de unidade de luta, durante seminário Reforma da Previdência

Saiba mais:
→ Intersindical firma compromisso de unidade na luta contra o desmonte da previdência
05/fev – Resolução: Em defesa dos direitos e da Previdência. Construir a Greve Geral!
→ Vídeo: Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


A Intersindical Central da Casse Trabalhadora marcou presença no Seminário “Reforma da Previdência, Desafios e Ação Sindical”, promovido pelo Dieese, em São Paulo, no Sindicato dos Padeiros. Na abertura (7), todas as centrais sindicais fizeram suas saudações. O evento termina hoje (8).

Ricardo Saraiva Big, secretário de Relações Internacionais da Intersindical, defendeu vigorosamente a unidade do movimento sindical e social na luta contra o desmonte da Previdência.

“Tem que ter humildade para construir uma greve geral no país, temos que chamar MTST, MST, e o que ainda há de vigor na luta do povo. Se ficarmos na arrogância de brigar pela data que queremos, se a gente não tiver unidade numa única data, seremos todos derrotados”.

Big lembrou que no dia 15 de março os trabalhadores da educação vão parar e provocou os representantes das centrais a aderirem à greve geral neste dia. “Quem bateu panela no país vai ficar com as panelas vazias”, afirmou.

Na primeira mesa de discussões, ‘Atribuições e Fontes de Previdência’, o consultor Luciano Fazio enfatizou que a previdência social tem outras fontes de financiamento além das contribuições diretas, e que ela foi pensada como forma de equilíbrio econômico e social.

“O caráter contributivo não é tudo na previdência. A Constituição Federal de 1988 se baseia no caráter social. É uma lógica perversa dizer que a previdência seria paga por cada um segundo a sua contribuição, como se fosse uma poupança individual. A previdência pública é um amparo de proteção social para momentos .”

Para Vilson Antônio Romero, da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), o governo Temer está aplicando uma ditadura demográfica com base em parâmetros europeus de países de primeiro mundo para justificar a reforma da previdência no Brasil.

Em 12 meses, R$ 120 bilhões serão desvinculados com o aumento da DRU (Desvinculação das Receitas da União) em 30%. As renúncias fiscais, só em 2016,  ficaram em R$ 69,7 bilhões e a dívida ativa consolidada está em R$ 374 bilhões”.

“Sobra dinheiro no conjunto de financiamento da seguridade social. Há teto para arrolar a dívida pública? Não! Só para os programas sociais”, ressaltou.

Em 92% dos municípios os recursos distribuídos pelo INSS superam a própria arrecadação municipal, o que demonstra a importância da Previdência para o desenvolvimento econômico e social.

Romero comentou sobre a perversidade da reforma para com os trabalhadores do campo e lembrou que o governo nem conseguiu implantaram o e-social para as domésticas da cidade, quanto mais agora exigir a contribuição individual dos trabalhadores do campo.  “Não é chamando o trabalhador do campo a contribuir. Tem que chamar o agronegócio”.

O evento está sendo transmitido ao vivo pelo link do Dieese http://www.dieese.org.br/evento/seminarioReformaPrevidenciaHoje.html.

Fonte: INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top