Greve dos Correios contra precarização da carreira termina, mas trabalhadores não veem avanços

Greve dos Correios contra precarização da carreira termina, mas trabalhadores não veem avanços

Greve dos Correios contra precarização da carreira termina

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Fim da greve dos Correios

Terminou nesta quarta-feira (14) a greve dos trabalhadores dos correios que durou 3 dias, desde o dia 11 de março.

Os trabalhadores iniciaram a greve contra cobrança de mensalidades no plano, contra o sucateamento da empresa, contra o fim dos cargos de OTTs e atendentes comerciais.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Plano de saúde

A categoria estava em luta também contra o fechamento das agências postais, e exigindo a contratação de novos funcionários através de concurso público.

Desde a implantação da postal saúde, a empresa vem reclamando de déficit nas contas, porém há a denúncia de desvios e superfaturamento nos procedimentos e em equipamentos usados em cirurgias.

Em julgamento nesta segunda-feira 12 de março o pleno do TST, decidiu por maioria autorizar a cobrança de mensalidade no plano de saúde dos servidores.

De acordo com a decisão, o plano de saúde continuará a atender empregados ativos, aposentados, cônjuges, companheiros, filhos menores de idade e pais e mães dos titulares.

No entanto, ficou fixado o pagamento de mensalidade, exceto para pais e mães, e a coparticipação para todos os que utilizarem o plano.

A mensalidade vai variar de 2,50% até 4,40%, de acordo com a remuneração recebida, de forma que quem ganhe mais contribua com um percentual maior.

Por exemplo, os empregados que recebem até R$ 2.500 pagarão mensalidade correspondente a 2,5%, e quem tem remuneração superior a R$ 20 mil estará sujeito ao percentual de 4,40%.

A mensalidade para cônjuges e companheiros ou companheiras equivalerá a 60% da mensalidade do titular, e, para filho, filha ou menor sob guarda, o percentual será de 35%.

No entanto todos terão responsabilidade sobre as despesas no plano de saúde, sendo que os empregados e seus dependentes arcarão com 30% dos custos e a empresa mantenedora arcará com os 70% restantes.

Déficit de servidores

Nos últimos anos mais 20.000 trabalhadores foram demitidos da empresa, enquanto no mesmo período o número de encomendas praticamente dobrou, o tem ocasionado uma sobrecarga enorme aos atuais servidores, causando também um grande número de lesões por esforço repetitivo.

O último concurso da categoria aconteceu em 2011, e desde então nenhum novo trabalhador foi contratado.

A INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora demostra todo seu apoio e solidariedade a luta dos trabalhadores dos correios e se coloca a disposição da categoria.

Também repudiamos a atitude desta justiça burguesa que massacra e oprime a população pobre, com suas decisões parciais sempre a favor do grande capital.

Os ministros dos tribunais e os juízes estão programando um ato para defender seu auxílio moradia.

Um juiz recebe em média R$ 30.000,00 e mais R$ 4.000,00 de auxílio moradia.

O trabalhador dos correios recebe em média R$ 1.600,00 e vai ter que pagar R$ 420,00 de convênio médico.

QUE JUSTIÇA É ESSA!


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários