Fim da valorização do salário mínimo: 48 milhões de pessoas são duramente atingidas

Fim da valorização do salário mínimo: 48 milhões de pessoas são duramente atingidas

salario-minimo-bolsonaro

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Fim da valorização do salário mínimo

O governo de Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira, dia 15, que o salário mínimo não vai mais contar com reajuste acima da inflação. Segundo o governo da extrema direita, o orçamento da União de 2020 prevê apenas o repasse da inflação. 

Desde 2008, o menor salário pago no Brasil passou a contar com uma política oficial de valorização, com o repasse da inflação do ano anterior somado à variação do PIB de dois anos atrás. A regra de valorização foi estabelecida no governo Lula e foi transformada em lei no governo Dilma, em 2011.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A política de valorização do salário mínimo é uma das principais medidas adotadas no Brasil, sendo responsável por elevar substancialmente o poder de compra dos mais pobres, estimular a economia brasileira e reduzir as desigualdades sociais e regionais no país. 

Em 2004 o valor do salário mínimo era de R$ 260,00. Com a política de valorização além da reposição da inflação, houve aumento real de 74,33% até janeiro de 2019.

Segundo o Dieese, sem o repasse da variação do PIB e apenas com a reposição da inflação, como propõe agora Jair Bolsonaro, o valor atual do salário mínimo seria de R$ 573,00.

Atualmente, cerca de 48 milhões de pessoas recebem remuneração correspondente ao salário mínimo, como assalariados, aposentados e pensionistas, trabalhadores por conta-própria, domésticos.

O fim da política aumento do salário mínimo acima da inflação é mais uma demonstração de que o governo Bolsonaro é inimigo da população trabalhadora.

“O povo brasileiro não pode aceitar calado à mais esse retrocesso. Valorizar o salário mínimo é decisivo para combater as desigualdades sociais e garantir um mínimo de dignidade para as pessoas mais pobres”, garante Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical. “Mas é necessário destacar que a melhoria do salário mínimo é fundamental para restabelecer o crescimento e dinamizar a economia brasileira. Bolsonaro é o governo dos ricos”, conclui Índio. 

1° de Maio unitário e de luta

A defesa da valorização do salário mínimo, da geração de empregos com direitos, da aposentadoria e da previdência pública são as principais reivindicações que levam as centrais sindicais a convocar o histórico 1° de Maio Unitário em todo o País. 

Até lá, a população trabalhadora está chamada a participar do abaixo assinado contra a deforma da previdência e a debater, nas comunidades e nos locais de trabalho, as diversas medidas do governo Bolsonaro que atentam contra as conquistas e os direitos do povo brasileiro.

É muito importante, também, elevar a pressão sobre deputados e senadores a fim de garantir a valorização do salário mínimo, a geração de empregos com direitos e a manutenção da aposentadoria do povo.


SAIBA TAMBÉM:

Calcule sua aposentadoria
Abaixo-assinado contra o fim da aposentadoria
Baixe o jornal da Reforma da Previdência 2019
Baixe a Cartilha Contra o Fim da Aposentatoria


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários