Está aberto o 2º Congresso da Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Está aberto o 2º Congresso da Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Está aberto o 2º Congresso da Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Três anos depois, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora volta a reunir suas lideranças sindicais e populares de todo o país para realizar seu Congresso Nacional. Neste ano, marcado pela consolidação do Golpe de 2016, a ofensiva contra os trabalhadores e o avanço do imperialismo sobre o Brasil e a América Latina, os eixos do Congresso são “Democracia, Direitos e Soberania”.

Além da delegação da Intersindical, participaram da abertura do Congresso representantes de diversos partidos políticos, centrais sindicais e movimentos populares, incluindo a presença de dirigentes sindicais de 11 países, marcando a presença da Federação Social Mundial (FSM). Depois de um minuto de aplausos para Marielle Franco, Nilza Pereira, da direção nacional da central, declarou aberto o 2º Congresso da Intersindical.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Marielle, presente! Hoje e sempre!”, homenagearam todos os presentes no auditório do hotel San Raphael, centro de São Paulo. Pereira lembrou que, apesar de jovem, a Intersindical mostrou seu valor nas lutas contra o Golpe de 2016 e as reformas trabalhista e previdenciária. “Onde tínhamos representação, fomos às ruas com nossas bases”, recordou.

O primeiro convidado a falar foi Gilmar Mauro, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O dirigente refletiu sobre a crise organizativa que afeta os instrumentos de luta dos trabalhadores, que não conseguem englobar grande parte da classe. Ainda assim, Mauro se disse otimista com a conjuntura. “Vamos derrotar o governo Bolsonaro de uma tacada só”, afirmou. O dirigente do MST, que participou do Congresso de Fundação e do 1º Congresso da Intersindical, ainda reforçou a parceria do movimento com a central para todas as lutas necessárias.

Natália Szermeta falou em nome do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo (PSM). Destacou a atuação da Intersindical dentro FPSM e a necessidade de se enfrentar a Reforma da Previdência e se defender dos ataques do governo Bolsonaro aos movimentos populares e sindical.

Secretário de Relações Internacionais da Central dos Trabalhadores Cubano (CTC), Ismael Drullet conclamou pela “unidade do povo da América Latina, que precisa vencer nosso inimigo em comum que, há consenso, é o imperialismo”. Drullet saudou a Intersindical e finalizou com a saudação revolucionária da ilha caribenha: “hasta la victória!”. O chileno Ricardo Maldonado representou a seção latino-americana da Federação Sindical Mundial (FSM).

Maldonado saudou o 2º Congresso da Intersindical e elogiou o 1º Seminário Internacional, realizado nas últimas quarta e quinta-feira, que superou suas expectativas ao gerar um “profundo debate político e ideológico”. O desafio agora, para Maldonado, é encaminhar as ações concretas, que devem começar por demonstrações de apoio dos trabalhadores latino-americanos ao povo venezuelano.

A dirigente peruana Carmela Sifuentes representou as mulheres da FSM. Pediu para que no Congresso haja debate e não antagonismo, pois “o inimigo está fora”. Sifuentes também conclamou por maior participação das mulheres, chegando à paridade em todos os espaços. Por fim, lembrou da mártir peruana Micaela Bastidas e de Marielle Franco.

O argentino Sérgio Gonzalez representou a FSM Cone Sul e enviou a saudação do Secretário Geral da FSM Mundial, o grego George Mavrikos.

Ernesto Freire, em nome da FSM América, enviou a saudação dos trabalhadores cubanos ao 2º Congresso e avaliou como estimulante a mesa de instalação do evento.

Adilson Araújo, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), declarou que a “Intersindical é parte muito importante da resistência no país”. Araújo destacou que vivemos uma profunda crise do capitalismo mundial e a imposição, de forma muita acelerada, de um processo de restauração neoliberal. “É hora voltarmos a pensar com radicalidade”, defendeu Araújo.

Nalú Faria, da Marcha Mundial das Mulheres (MMM), definiu a conjuntura como a “agudização do conflito capital x vida, que é mais do que o conflito capital x trabalho”. Faria destacou a importância de as organizações da classe trabalhadora assumirem que o “patriarcado e o racismo são estruturantes do capitalismo, e não apenas questões ideológicas”. Por fim, defendeu a centralidade das campanhas pela libertação do ex-presidente Lula e pela paz e soberania da Venezuela.

O presidente do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Juliano Medeiros, destacou que a Intersindical já é uma realidade para a classe trabalhadora brasileira e agradeceu a atuação da central nos últimos cinco anos, que “balançaram o Brasil”. “Tenho certeza que vou seguir encontrando os companheiros da Intersindical nas principais lutas do povo brasileiro trabalhador”, assegurou Medeiros.

O presidente da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco (FLCMF), Francisvaldo Mendes, defendeu que o 2º Congresso da Intersindical deve servir para discutir a luta não para melhorar, mas para acabar com o capitalismo.

Representando o grupo Brasil Nação, a jornalista Eleonora de Lucena definiu que há, sim, um projeto no governo Bolsonaro: a destruição do país. “É um governo subalterno e lambe-botas”, definiu.

Davi Lobão, da agrupação Resistência, destacou a “ação pesada da extrema-direita no país” e denunciou a prisão política do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e a falta de garantias que fizeram o deputado Jean Willys deixar o país.

Edmilson Costa enviou as saudações classistas do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e, Onassis Matias, do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), ao 2º Congresso da Intersindical.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Comunista do Brasil justificaram suas ausências, mas enviaram seus cumprimentos ao 2º Congresso da Intersindical. Secretário-geral da Intersindical, Edson Carneiro Índio fechou a cerimônia. “O 2º Congresso da Intersindical acontece em momento de encruzilhada histórica.

O governo Bolsonaro assume uma agenda de desmonte do Estado, de associação direta ao imperialismo e de desregulamentação das leis trabalhistas”, caracterizou. A tarefa da classe trabalhadora, por outro lado, é defender uma agenda civilizatória enraizada no povo brasileiro e isso começa pela defesa da aposentadoria e da Previdência Social. “Vamos conversar com o povo em todos os cantos e chacoalhar esse país para derrotar a Reforma”, garantiu.

Texto: Matheus Lobo


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários