Entenda a Medida Provisória que institui o genocídio de trabalhadores

Entenda a Medida Provisória que institui o genocídio de trabalhadores

medida provisória 927

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A crise sanitária provocada pela epidemia do Coronavírus (COVID-19) em escala mundial foi tomada como oportunidade pelo governo de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Uma oportunidade para aprofundar a retirada de direitos de milhões de trabalhadores formais do país.

A Medida Provisória 927 é direcionada para atender unicamente aos interesses mais mesquinhos do grande patronato, indo na contramão das medidas de proteção da renda assumida na maioria dos países assolados pelo COVID-19.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A MP 927 restabelece as seguintes retiradas de direitos:

1- Negociação Individual entre empregadores e empregados no tema das relações trabalhistas que terão predominância sobre o estabelecido nas leis e nas negociações coletivas.

2- Desrespeita o direito de férias e a exigência do adicional salarial de ⅓ estabelecido na Constituição. Fica a critério do empregador conceder ou não o adicional,

3- Utiliza o banco de horas como mecanismo de compensar o período de quarentena não trabalhado, impondo aos trabalhadores o pagamento do custos econômicos da epidemia.

4- Suspensão da obrigatoriedade do recolhimento do FGTS pelo empregadores.

5- Aumento da jornada de trabalho dos profissionais da saúde e utilizando do banco de horas como forma de evitar o pagamento das horas extras.

6- Suspende a fiscalização do Ministério Público do Trabalho e dos Auditores Fiscais sobre as relações trabalhistas, transformando-a em ação meramente “orientadora”, ou seja, sem possibilidade de multa contra conduta ilegal dos empregadores.

O mais polêmico ponto da MP 927, está em seu artigo 18, que possibilita a suspensão dos contratos de trabalho por quatro meses, deixando a critério do empregado realizar o repasse de valores ao empregado em caráter não salarial, um outro nome para esmola. Bolsonaro, pelo Twitter, anunciou que irá vetar este ponto. Porém sustentou as demais medidas descritas anteriormente.

A MP 927, para o governo Bolsonaro/Guedes, não é uma medida de exceção, é a regra que pretendem estabelecer nas relações de trabalho no país; a crise sanitária propiciou uma oportunidade para testá-la.

Nenhum dos pontos apresentados na MP 927 estão de acordo com as necessidades deste período, que deve ser marcado pelo esforço de governos e do patronato em garantir a dignidade salarial aos trabalhadores, oferecendo condições para que enfrentem os riscos impostos pela epidemia. Sem salário, sem direitos a segurança alimentar e as condições mínimas de vida estarão comprometidas e a pandemia do COVID-19 ganhará força em meio do caos social dos que vivem do trabalho.

Em nota a ANAMATRA (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho) se posiciona contra esta medida provisória da seguinte forma:

“Ao apenas pedir o sacrifício individual das pessoas que necessitam do trabalho para viver, a MP nº 927 indica que soluções que impliquem em pactos de solidariedade não serão consideradas, tais como a taxação sobre grandes fortunas, que tem previsão constitucional; a intervenção estatal para redução dos juros bancários, inclusive sobre cartão de crédito, que também tem resguardo constitucional; a isenção de impostos sobre folha de salário e sobre a circulação de bens e serviços, de forma extraordinária, para desonerar o empregador.”

O caminho que está sendo percorrido pelo mundo no combate contra o COVID-19 é o da solidariedade e da proteção social. Mesmo com o recuo de Bolsonaro em relação ao artigo 18 da MP 927, resta ainda um conjunto de medidas completamente anti-trabalho.

Neste sentido, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora defende que o Congresso Nacional devolva imediatamente a MP ao Executiva e não a reconheça como válida. Que ela não tenha nenhum efeito e que não imponha mais nenhuma retirada de direitos sobre os que trabalham no país.

Texto: Pedro Otoni

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários