Empregador prendia trabalhadores em cela improvisada em caminhão no RS, dizem procuradores

Empregador prendia trabalhadores em cela improvisada em caminhão no RS, dizem procuradores

Empregador prendia trabalhadores em cela improvisada em caminhão

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Adalberto Braz de Souza e seu irmão foram presos em flagrante em 2016, mas absolvidos em primeira instância. No entanto, Procuradoria recorreu da decisão e o caso deve ir para o TRF4

Das cinco pessoas que empregavam pessoas em situação análoga à escravidão no Rio Grande do Sul, incluídas na lista suja do Ministério do Trabalho (a lista completa pode ser conferida neste link), Adalberto Braz de Souza é o que responde pelo aliciamento do maior número de vítimas. Em agosto de 2016, ele foi flagrado ao submeter 17 paraibanos a trabalhar como vendedores ambulantes em Lajeado em troca de água e comida, segundo o Ministério Público do Trabalho (MPT). De acordo com os relatos dos trabalhadores, caso eles não atingissem as metas de venda, eram espancados, humilhados e presos em uma cela dentro do caminhão em que dormiam, estacionado em um posto de gasolina à beira da BR-386. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Segundo o MPT, Adalberto atuava com o irmão, Adenílton Braz de Souza, no esquema. Paraibanos, os dois supostamente emprestavam dinheiro para as vítimas do município de Patos (PB), a 315 quilômetros da capital João Pessoa. Sem dinheiro para pagar a dívida, as vítimas concordavam em viajar até o Rio Grande do Sul para trabalhar e quitar o débito. O grupo chegou a Lajeado em julho de 2016 e, uma vez no município, não conseguiam pagar a viagem de volta. 

Por quase um mês, os trabalhadores passaram a vender redes, carteiras e outros objetos em troca de água e comida. Caso tentassem fugir, os trabalhadores e suas famílias seriam ameaçados de morte. O uso de banheiro para fazer necessidades ou tomar banho era, segundo os trabalhadores, no próprio posto de gasolina. Nenhum tinha carteira de trabalho assinada e relataram passar fome e receber cerca de R$ 10 por dia. 

O resgate ocorreu em agosto de 2016, em ação conjunta do MPT, da Polícia Civil, da Brigada Militar e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), após um dos trabalhadores conseguir fugir e pedir socorro. Na esfera trabalhista, Adalberto e Adailton firmaram com o MPT um termo de ajuste de conduta no qual pagaram para os trabalhadores, ao todo, multa rescisória de R$ 32.696,41, além das passagens de volta para a Paraíba. Mas a história não acabou por ali. 

No dia em que os 17 paraibanos foram à rodoviária de Porto Alegre para voltar para casa, em 27 de agosto do ano passado, o MPT recebeu uma denúncia de que um “capanga” dos empregadores estaria no local para coagir os trabalhadores a devolverem o dinheiro. Os procuradores acionaram a Brigada Militar para fazer a escolta dos trabalhadores, e o homem fugiu. 

Os irmãos responsáveis pelo esquema foram presos em flagrante e encaminhados ao Presídio Estadual de Lajeado. Denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF), viraram réus, mas inocentados em primeira instância pela 1ª Vara Federal de Lajeado. O juiz responsável pela sentença, Andrei Gustavo Paulmichl, afirmou que a existência de infração às normas trabalhistas, por si só, não caracteriza a prática do crime do qual foram denunciados pelo MPF, e que a punição trabalhista foi suficiente. 

A Procuradoria recorreu da decisão e, agora, o caso deve ir para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). GaúchaZH entrou em contato com o advogado dos réus, Aurio Jocelmo dos Santos Oliveira. Em resposta, ele ressaltou que seus clientes foram absolvidos em primeira instância. 

— Não temos nada a declarar sobre a “lista suja”. Vale para nós a sentença de absolvição em relação aos crimes imputados pelo MP, inclusive o de trabalho escravo — afirmou.

Fonte: Zero Hora


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários