Dificuldades e desafios do movimento sindical na atualidade

Dificuldades e desafios do movimento sindical na atualidade

Dificuldades e desafios do movimento sindical | INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

III Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora novamente participou do III Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde, organizada pela Fundacentro, pela Asociacion Latinoamericana de Abogados Laboralistas (ALAL) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e realizada na Faculdade de Direito da USP, no Largo São Francisco.

Tratando das mobilizações e movimentos sociais e suas lutas, Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical, relembrou da greve dos professores do Paraná e do recente levante dos servidores públicos no Rio Grande do Sul, que conseguiram aglutinar todas as categorias do serviço público contra o programa de austeridade econômica do governador Sartori.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Ele também não deixou de recordar as paralisações das hidrelétricas de Belo Monte e Jirau (Pará e Rondônia, respectivamente), e dos metalúrgicos de Niterói, no Rio de Janeiro, algumas das recentes lutas travadas pelo operariado que têm em comum a explosão com que eclodiram.

No entanto, Índio ressaltou a necessidade de o movimento sindical na atualidade estar preparado para o próximo período. Segundo ele, o movimento enfrenta diversas crises que confundem e dificultam a capacidade organizativa dos trabalhadores lutas. “No atual momento estamos enfrentando uma chantagem nas grandes empresas, em particular nas multinacionais, em que querem forçar os trabalhadores a aceitar redução de salários – por meio do recém aprovado PPE (MP 680) –, por acordos de Lay Off e programas de demissão voluntária”.

Capacidade do movimento sindical

Índio acredita que para se compreender esse debate, é necessário remeter-nos a alguns fatores, como o impacto da reestruturação produtiva à capacidade do movimento sindical.

Num momento em que o que o imaginário social é alimentado apenas por soluções individuais e o espírito coletivo é desprezado, as perspectivas para se melhorar as condições de vida se resumem a nos colocarmos a serviço do grande capital. “Nos bancos, por vezes acontecem workshops com profissionais treinados a provocar debates, com o objetivo de identificar quais os trabalhadores que não concordam com a política da empresa ou que têm alguma tendência contestadora”, exemplificou.

Outras condições que dificultam a organização sindical combativa foram levantados, como a fragmentação das representatividades políticas nos últimos anos, o Imposto Sindical – que permitiu o surgimento de inúmeras entidades cujo objetivo é tão somente embolsar o dinheiro do trabalhador –, a ampliação de postos de trabalhos ainda mais precarizados, a criminalização por parte do Estado – como demissões, corte de ponto, processos a sindicalistas e interditos proibitórios –, além de diversos meios de despolitização dos trabalhadores.

Porém, Índio ressaltou que a Intersindical tem feito debates a fim de encontrar caminhos que revertam a atual situação.

Além do sindicato buscar organizar os trabalhadores por dentro das empresas, também deve ter um processo permanente de formação política de seus dirigentes e militantes, em que os trabalhadores devem compreender sua realidade.

Outra questão colocada foi a de todos os trabalhadores é compreenderem a negociação como parte do conflito entre capital e trabalho.

Saúde do trabalhador

A saúde do trabalhador é outro caminho que deve ser fortalecido no meio sindical, segundo seu entendimento: “no momento em que o trabalhador está adoecido, talvez o sindicato seja o único espaço onde ele compreenda que o adoecimento dele não é um acontecimento individual e que o problema é a organização do trabalho”.

Por fim, Índio destacou que “a solidariedade de classe também é fundamental, assim como a construção de uma plataforma unitária, que agregue os mais plurais pensamento em defesa do protagonismo da classe trabalhadora”.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários