Dia de luta por reajuste integral na PPG do Brasil, em Sumaré (SP)

Dia de luta por reajuste integral na PPG do Brasil, em Sumaré (SP)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Gigantes do setor químico se recusaram a fechar acordo com o sindicato e levaram decisão de reajuste para a Justiça. Empresas menores aplicaram o reajuste 100% na data base.

O Sindicato Químicos Unificados realizou nesta manhã (31/01), ao lado de trabalhadores e trabalhadoras da PPG do Brasil, de Sumaré (SP), uma assembleia com atraso de jornada em protesto contra a intransigência da multinacional em pagar o reajuste integral da categoria, conforme reivindicação apresentada na data base de 1º de novembro, durante a campanha salarial.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Unificados continua com as mobilizações em defesa da aplicação do reajuste mínimo de 8,5% (reposição da inflação acumulada no período segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor) sem parcelamento.

Cerca de 115 empresas aplicaram o reajuste 100% na data base, muitas delas de porte bem menor que a multinacional PPG do Brasil.

A intransigência parte justamente dos patrões de gigantes do setor químico, que se recusaram a fechar acordo com o sindicato e levaram para a Justiça decidir qual será o percentual do reajuste. Uma audiência foi realizada no dia 15/12/2016, porém terminou sem acordo entre as partes.

Mobilização garante vitória na Braskem

Após mobilização e pressão na porta da fábrica, os trabalhadores da Braskem, em Paulínia, conquistaram os 8,5% de reajuste.

No ano passado, a empresa tentou impedir a ação sindical do Unificados, alterando arbitrariamente o horário de entrada de trabalhadores do administrativo, impedindo-os de ouvir as informações que o sindicato tinha para passar referente à campanha salarial.

Não bastasse isso, a Braskem conseguiu uma liminar, julgada pela juíza do trabalho Claudia Cunha Marchetti da 2ª Vara do Trabalho de Paulínia, para impedir que o Unificados realizasse assembleia na porta da fábrica, obrigando-o a manter distância de 500 metros do portão da empresa, sob pena de multa.

O Unificados recorreu da decisão e o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, João Batista Martins César, derrubou os efeitos da decisão anterior, reconhecendo o direito do sindicato em realizar a ação sindical.

Fonte: INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Manifestação contra a #PEC32
Manifestação contra a #PEC32
#7SForaBolsonaro
#7SForaBolsonaro
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários