Desindustrialização: um Brasil de bancos e bois

Desindustrialização: um Brasil de bancos e bois

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Em desindustrialização acelerada, o país caminha para a reprimarização e financeirização da sua economia

A desindustrialização brasileira não é um fenômeno. Seu início remonta a primeira matade da década de 90, com a aprovação do Plano Real, o preço pago pela população pelo controle da inflação foi o pagamento de juros altos. Os bancos saíram ganhando e a indústria, que teve protagonismo na urbanização e criação da classe trabalhadora urbana do país, entrou em seu processo de decadência.

Segundo estudo o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), coordenados pelos economistas Paulo Morceiro (USP) e Joaquim Guilhoto (OCDE), o Brasil registrou a terceira maior desindustrialização entre os 30 países analisados, ficando atrás apenas do Reino Unido e Austrália. Porém, diferente destes dois países, a redução da atividade industrial não foi acompanhada de aplicação de renda per capita e do PIB per capita. Eles dominam o fenômeno como “desindustrialização precoce”, ou seja, antes de atingir seu potencial industrial o Brasil abriu mão de ampliá-lo.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A desindustrialização é acompanhada pela migração do capital para o setor financeiro e para a produção de commodities agrícolas e minerais. Desde 2002 o setor financeiro cresce em média 4,1% ao ano e o extrativismo e a agropecuária 3,5% ao ano.

A financeirização e reprimarização da economia é acompanhada da elevação da concentração de renda e riqueza no país. Em 2018 (dado mais recente), a renda dos 1% mais rico da população, que já possuem 30% de toda a riqueza do país, teve sua renda elevada em 8,4% enquanto os 5%¨mais pobres dos brasileiros tiveram diminuição de 3,2%.

A desindustrialização tem como efeito a migração da força de trabalho para o setor de serviços, que possui salários mais baixos, menos direitos e um maior nível de informalidade. Metade da população economicamente ativa já está no mercado informal.

A neoliberal do Ministro da Economia, Paulo Guedes, tem como base a retirada de direitos, fim do processo de valorização do salário mínimo e manutenção do congelamento das obras públicas. Logo, a massa salarial cai ainda mais, o desemprego aumenta e a informalidade assume patamares catastróficos.

É por esta razão que a Intersindical Central da Classe Trabalhadora, em conjunto com as demais centrais sindicais, tem priorizada a luta em defesa da indústria nacional e dos direitos adquiridos pela classe trabalhadora. Sem um projeto industrial e proteção ao trabalhador o Brasil se tornará um país de bancos e bois.

Texto: Pedro Otoni

LEIA TAMBÉM:

03/02: Em defesa de empregos, centrais fazem PROTESTO NA FIESP

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários