CNBB e Centrais Sindicais se reúnem em Brasília para debater a Reforma da Previdência

CNBB e Centrais Sindicais se reúnem em Brasília para debater a Reforma da Previdência

O Secretário Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, recebeu na sede da entidade em Brasília dirigentes das centrais Intersindical, CUT, CTB, Força Sindical, UGT, NCST, CGTB e CSB. 

Dom Leonardo Steiner ouviu os dirigentes sindicais que levaram ao bispo as preocupações dos trabalhadores com a proposta do governo Bolsonaro que acaba com o direito à aposentadoria e entrega a previdência para os banqueiros.

Dom Leonardo registrou o posicionamento da CNBB que, em documento oficial, apontou fortes preocupações com a PEC 006, em particular com a desconstitucionalização e a capitalização da previdência social, além de requerer amplo debate na sociedade para encontrar as melhores saídas para o tema, sem atingir direitos da classe trabalhadora, principalmente dos mais pobres. 

Os dirigentes sindicais expuseram as diversas razões que levam o movimento a se contrapor à deforma e saudaram o posicionamento firme da CNBB e a própria Campanha da Fraternidade.

Vagner Freitas, da CUT, lembrou que os banqueiros são os principais beneficiários da deforma. Miguel Torres, da Força Sindical, apontou a importância da previdência para a economia brasileira. Paulo Vinicio, da CTB, falou da importância e capilaridade social da igreja católica no diálogo com o povo brasileiro. 

Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical registrou a importância da posição da CNBB que, já em 2017 foi fundamental para barrar a ofensiva do governo Temer e falou da importância da constituição de comitês locais em todas as comunidades pra defender a previdência pública, buscando envolver todos os setores sociais. 

Índio lembrou que a mídia e o governo mentem ao prometer geração de empregos, a mesma promessa vazia que fizeram para aprovar a deforma trabalhista, a terceirização irrestrita e a Emenda 95 e o desemprego só aumenta. “Enquanto milhões de pessoas continuam desempregadas ou vivendo de bicos, banqueiros e grandes empresários se locupletam dos juros altos, do desmonte do Estado e da redução de direitos sociais e trabalhistas “,  alertou Índio.

Dom Leonardo foi enfático em afirmar que o Estado tem o dever de amparar seu povo e alertou que o fim da previdência social e pública pode levar ao aumento da violência e da miséria na medida em que retira renda necessária para o sustento das famílias.

Saiba mais:

CALCULADORA DA APOSENTADORIA: veja como a proposta do governo reduz seu valor
VÍDEO: A capitalização destrói sua aposentadoria

CNBB e Centrais Sindicais se reúnem em Brasília para debater a Reforma da Previdência


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

*

Top