Bancários se mobilizam contra as reformas

Bancários se mobilizam contra as reformas

Bancários se mobilizam contra as reformas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Sindicato faz campanha de mobilização contra ataques do governo e congresso

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região inicia, nesta quinta-feira (14/9), uma campanha de conscientização e mobilização da categoria bancária com o Tema: Governo e Congresso destroem seu passado, presente e futuro.

Os dirigentes sindicais percorrerão, a partir de hoje até outubro, as agências bancárias de nove cidades do litoral paulista (de Peruíbe a Bertioga) da base territorial da entidade, com cartazes e panfletos esclarecendo bancários e clientes sobre os ataques do governo federal e da maioria do congresso nacional aos trabalhadores e a população.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Precisamos de unidade e mobilização para enfrentar juntos o rolo compressor contra os trabalhadores deste ilegítimo governo, da maioria corrupta do congresso e das tentativas de destruição de nossos direitos pelos bancos”, diz Ricardo Saraiva Big, secretário geral do Sindicato e secretário de Relações Internacionais da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora.

“Com aprovação da Proposta de Emenda à Constituição, mais conhecida como PEC do Teto, no final de 2016; da Terceirização, da Reforma Trabalhista e a tentativa em aprovar a Reforma da Previdência o governo Temer juntamente com a maioria dos deputados e senadores retiram dinheiro da saúde, da educação e segurança públicas. Rasgam a CLT para desempregar, diminuir salários e retirar direitos e a aposentadoria dos trabalhadores”, afirma Eneida Koury, presidente do Sindicato.

Reforma Trabalhista

Para os bancários e trabalhadores, os principais impactos incluem:

Estrutura da negociação coletiva: os acordos por banco poderão prevalecer sobre a CCT; permite negociação individual para quem ganha acima de R$ 11 mil, o que hoje representa cerca de 20% da categoria, índice que pode ser maior a depender do Estado.

Formas de contratação: permite a terceirização sem limites; o contrato temporário e intermitente; o teletrabalho ou home office mediante regras informais, e a “Pejotização”. O que possibilita retirar plano de saúde, tíquetes refeição e alimentação, 13º, férias, complementação de aposentadoria, etc.

Jornada de trabalho: aumenta o limite diário da jornada sem necessidade de pagamento de hora-extra; tudo pode ser compensado. Possibilita a adoção da jornada 12h x 36h;

Remuneração: permite o parcelamento da PLR em mais de duas vezes; não garante a incorporação de gratificações devido à ocupação temporária de cargo de chefia/comissionado; modifica o conceito de remuneração, retirando de sua composição itens como diárias para viagem, ainda que excedam 50% do salário-base, ajuda de custo, prêmios e abonos, o que amplia a parcela da remuneração sobre a qual não incidirão encargos trabalhistas e previdenciários.

Férias: permite o parcelamento das férias em três períodos.

Desligamentos: as demissões não serão mais homologadas pelo Sindicato; a nova lei permite demissão em massa sem acordo com sindicato e a rescisão de contrato de trabalho de comum acordo com menos fiscalização e direitos.

Terceirização do Trabalhador

• Ganha Salário em média 27 % menor;

• Trabalha 3 horas a mais;

• Permanece 2,6 anos a menos no emprego;

• A cada dez acidentes de trabalho, oito ocorrem com terceirizados.

PEC do Teto

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 55), aprovada em 15/12/16, limita os gastos sociais do governo federal em Saúde, Educação e Segurança Públicas por 20 anos. É a chamada PEC do Teto.

Coloca toda população em risco de não ter atendimento de saúde, vagas nas escolas e ver o aumento da criminalidade. O Brasil entra em uma categoria única em matéria de retrocesso social.  

Perversa Reforma da Previdência

A reforma da Previdência Social é uma das mais radicais e perversas já propostas em todo o mundo. Estabelece:

1- Idade mínima de 65 anos para os trabalhadores e trabalhadoras;

2- Cria uma regra de transição com um pedágio severo de 50% sobre o tempo que estiver faltando para a aposentadoria para os trabalhadores homens com mais de 50 anos e mulheres acima de 45 anos;

3- O cálculo da aposentadoria, no texto original, será de 51% da média salarial mais 1% por tempo de contribuição, o que fará com que a aposentadoria integral seja concedida apenas com 49 anos de contribuição;

4- A reforma praticamente destrói os direitos previdenciários da população mais pobre, aumentando a carência de 15 para 25 anos de contribuição;

5- Desvincula os benefícios do salário mínimo;

6- Acaba com o acúmulo de aposentadoria e pensão.

A mobilização, a sindicalização e a participação na luta, organizada pelo Sindicato, é a resposta que vamos dar para combater esses ataques a classe trabalhadora!

Fonte: Sindicato dos Bancários de Santos e região


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários