Assassinato de cacique Waiãpi reflete política de Bolsonaro para povos do campo e da floresta

Assassinato de cacique Waiãpi reflete política de Bolsonaro para povos do campo e da floresta

waiãpi, indígenas, 9 homens, homens tocando instrumento de sopro, celebração indígena, massacre, indigenismo, roupas vermelhas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Na madrugada da última sexta-feira (26) para sábado (27),  a Terra Indígena Waiãpi, localizada no município de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, foi invadida por um grupo armado de garimpeiros. O cacique Emyra Waiãpi foi assassinado a facadas. A morte foi confirmada pela FUNAI, entretanto, Jair Bolsonaro disse hoje que “não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá”.

Em nota, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) definiu Bolsonaro como o “maior inimigo dos povos indígenas atualmente”. De acordo com a COIAB, que integra a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), o governo federal vem atacando e criminalizando o movimento indígena com o “intuito único e exclusivo de privilegiar os históricos invasores das terras indígenas, seus aliados políticos, para a exploração ilegal de nossas terras”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O território Waiãpi fica próximo à fronteira entre Amapá e Pará. Ali, vivem cerca de 1.300 indígenas em uma área de 6 mil km², rica em ouro e, por isso, desejada por garimpeiros e minerados. Parte do território faz parte da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), que o governo Temer tentou extinguir em setembro de 2017 via decreto presidencial. Apenas os indígenas têm o direito de extrair minerais, em escala artesanal.

O que Bolsonaro quer é liberar a mineração em terras indígenas, em parceria com os Estados Unidos. Ao atiçar a cobiça de garimpeiros e mineradoras e, ao mesmo tempo, proferir discursos racistas e de ódio contra os indígenas, o governo Bolsonaro se torna responsável pela morte do cacique Waiãpi. A política da ultra-direita para os povos do campo e da floresta é da morte e do terror.

Neste duro contexto, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora reafirma sua solidariedade com o movimento indígena e espera que a segurança do povo Waiãpi possa ser garantida pelo Estado brasileiro, em conformidade à Constituição Federal de 1988.

[wd_hustle id=”social-icons-fim-de-texto” type=”social_sharing”]

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Mônica
Mônica
2 anos atrás

O índio foi assassinado por garimpeiros e naonpode alguém do governo , aff vamos parar de mímimi

trackback

[…] últimos dias o massacre das comunidades e lideranças se intensificou. Os assassinatos do cacique Wajãpi no Amapá, do cacique Pian Kanamari no Acre, o despejo violento e sem ordem judicial dos Kinikina no Mato […]