Assassinato de cacique Waiãpi reflete política de Bolsonaro para povos do campo e da floresta

waiãpi, indígenas, 9 homens, homens tocando instrumento de sopro, celebração indígena, massacre, indigenismo, roupas vermelhas

Na madrugada da última sexta-feira (26) para sábado (27),  a Terra Indígena Waiãpi, localizada no município de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, foi invadida por um grupo armado de garimpeiros. O cacique Emyra Waiãpi foi assassinado a facadas. A morte foi confirmada pela FUNAI, entretanto, Jair Bolsonaro disse hoje que “não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá”.

Em nota, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) definiu Bolsonaro como o “maior inimigo dos povos indígenas atualmente”. De acordo com a COIAB, que integra a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), o governo federal vem atacando e criminalizando o movimento indígena com o “intuito único e exclusivo de privilegiar os históricos invasores das terras indígenas, seus aliados políticos, para a exploração ilegal de nossas terras”.

O território Waiãpi fica próximo à fronteira entre Amapá e Pará. Ali, vivem cerca de 1.300 indígenas em uma área de 6 mil km², rica em ouro e, por isso, desejada por garimpeiros e minerados. Parte do território faz parte da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), que o governo Temer tentou extinguir em setembro de 2017 via decreto presidencial. Apenas os indígenas têm o direito de extrair minerais, em escala artesanal.

O que Bolsonaro quer é liberar a mineração em terras indígenas, em parceria com os Estados Unidos. Ao atiçar a cobiça de garimpeiros e mineradoras e, ao mesmo tempo, proferir discursos racistas e de ódio contra os indígenas, o governo Bolsonaro se torna responsável pela morte do cacique Waiãpi. A política da ultra-direita para os povos do campo e da floresta é da morte e do terror.

Neste duro contexto, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora reafirma sua solidariedade com o movimento indígena e espera que a segurança do povo Waiãpi possa ser garantida pelo Estado brasileiro, em conformidade à Constituição Federal de 1988.

Massacre aos indígenas Waiãpi reflete política de Bolsonaro

[wd_hustle id=”social-icons-fim-de-texto” type=”social_sharing”]

Tags
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Mônica
Mônica
1 ano atrás

O índio foi assassinado por garimpeiros e naonpode alguém do governo , aff vamos parar de mímimi

Top
1
0
Comentex
()
x