‘Ajuste fiscal e reforma da Previdência social começaram pelas desonerações tributárias’, afirma Denise Gentil, no Senado

‘Ajuste fiscal e reforma da Previdência social começaram pelas desonerações tributárias’, afirma Denise Gentil, no Senado

‘Ajuste fiscal e reforma da Previdência começaram pelas desonerações tributárias’, afirma pesquisadora da UFRJ no Senado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Intersindical marca presença em audiência pública no Senado, que discutiu a reforma da Previdência Social

Em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa no Senado, realizada quinta-feira (4), a professora do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Gentil, expôs não apenas o que a esquerda já sabe há tempos – que a Previdência Social é superavitária – como também que as desonerações tributárias concedidas durante o governo Dilma ao grande capital privado marcaram de fato o início do ajuste fiscal e estão criando os alicerces para a promoção da reforma da Previdência.

Para se ter ideia, em 2014 foram R$ 253,9 bilhões que deixaram de ser arrecadados em favor de empresas privadas . Em 2015 foram R$ 282 bilhões e em 2016 a previsão é a de que o governo abra mão de R$ 271 bilhões em favor do capital privado, quase 5% do PIB. É mais do que o governo gasta com programas sociais, saúde, educação, ciência e tecnologia.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Não é razoável que o governo abra mão desse montante de receitas e não tendo funcionado para conter a crise, agora ainda proponha o corte de gastos. É quase intencional para provocar a reforma da Previdência”, afirmou Lobato.

“Não há nada de errado com a Previdência e sim com o modelo econômico do governo. É a política recessiva caótica que gera esse pesadelo para os trabalhadores. Porque apesar de tudo isso a Previdência continua gerando superávit”, afirma a professora da UFRJ.

Em 2013 o superávit da Previdência foi de R$ 67 bilhões e em 2014 de R$ 35 bilhões. “As receitas superam o total de gastos da seguridade social, incluindo bolsa família e a área da saúde , como o SUS, e incluindo o custeio dos ministérios da Saúde e da Previdência. Todo esse complexo sistêmico que forma a seguridade social ainda tem um gasto que ainda é inferior à arrecadação”, garante a pesquisadora.

A queda brutal do superávit da seguridade social está ocorrendo porque depende de variáveis do nível de desempenho da economia, massa de salários. E o cálculo preliminar se superávit para 2015, segundo ela, é de R$ 16 bilhões.

“O governo desonerou a folha de pagamentos e deveria ter feito o repasse para a Previdência, mas não fez, se o fizesse o superávit aumentaria em R$ 12 bilhões. E apesar das desonerações com Cofins, CSLL e PIS-Pasep”, afirma Lobato.

O dirigente da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e militante do Coletivo Bancários na Luta, Edilson Montrose, trouxe expressiva contribuição para o debate ao enfatizar para os senadores presentes sobre a “sacralização da dívida pública”, prevista no artigo 166 da Constituição Federal. “Lá está previsto que não cabe ao Congresso ter opinião sobre as rubricas orçamentárias da dívida pública, essa é uma das premissas do neoliberalismo no mundo”.

Além disso, Montrose lembrou da intenção do governo de aumentar de 20% para 30% a DRU (Desvinculação de Receitas da União), ou seja, abrindo espaço no orçamento para retirar o dinheiro de áreas sociais para outras áreas, caso do pagamento dos juros da dívida pública.

E questionou a autonomia do Banco Central na decisão sobre a taxa de juros. “Dar autonomia operacional ou independência do Banco Central é uma perversidade contra a própria democracia”, afirmou.

“Atacar a Previdência é atacar a dignidade humana na plena acepção do termo. É descartar todo aquele trabalhador e trabalhadora que durante anos a fio labutou ou fez a riqueza do país e você o descarta quando ele mais precisa, a Previdência é o primeiro direito social e político do Estado”, finalizou o representante da Intersindical.

Assista à intervenção de Edilson Montrose, representante da Intersindical na audiência:


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários