1° de Maio: A unidade da resistência em defesa da democracia

1° de Maio: A unidade da resistência em defesa da democracia

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Mais uma vez a classe trabalhadora reafirmou nas ruas sua posição em defesa da democracia

Neste 1° de maio ocorreu nas principais cidades brasileiras atos convocados pelas centrais sindicais em uma demonstração de unidade e compromisso com a democracia política e social em nosso país.

Os atos tiveram como principal pauta a resistência ao golpe contra os direitos políticos e trabalhistas, a defesa da soberania sobre nossos recursos e empresas públicas, o desemprego, a precarização do trabalho e o crescimento da pobreza extrema.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

CLIQUE AQUI E VEJA AS FOTOS DESTE 1º DE MAIO DE RESISTÊNCIA

#LulaLivre

Em Curitiba, milhares e pessoas se reuniram na praça Santos Andrade provenientes de todo o país. O ato teve como eixo a denúncia da prisão arbitrária do ex-presidente Lula, a repressão policial e os atos de violência contra o acampamento Marisa Letícia, que reúne em vigília centenas de pessoas em apoio a Lula e foi alvo esta semana de um ato fascista que resultou em dois feridos à bala.

 Lá tiveram presentes representações sindicais, partidos políticos e pré-candidatos à presidência da república. O Secretário Geral da Intersindical, Edson Carneiro Índio, realizou uma saudação ao dia do trabalhador enfatizando os 75 anos da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, que foi desfigurada pela ação dos golpistas, aliados do grande capital e dos banqueiros. Ainda ressaltou que o ato de 1° de maio é, em 2018, uma demonstração de unidade contra a tentativa de retirarem Lula da disputa da presidência.

São Paulo: 1° de Maio na República denuncia descaso com as ocupações urbanas

Não foi acidente, foi descaso dos governos estadual e federal com a população sem-teto. Esta foi a mensagem que o ato de 1° de Maio na Praça da República vez ecoar na capital paulista frente ao desmoronamento do prédio ocupado por famílias desassistidas pelos programas de moradia, no centro da cidade.

A mídia procurou por todas as formas criminalizar as vítimas imputando às mesma a responsabilidade sobre o desastre e retirar os verdadeiros culpados pela tragédia: a especulação imobiliária e os governos que nada fazem pelas famílias sem-teto.

Em uma demonstração de dignidade as famílias vaiaram e expulsaram o presidente golpista do local, que tentou capitalizar com a desgraça das vítimas do desastre e do golpe.

As centrais sindicais e lideranças foram uníssonas na denúncia contra o golpe e de suas relações com a piora da situação da população sem-teto e da classe trabalhadora, vítima da “deforma trabalhista”.

Ricardo Saraiva Big representou a Intersindical  no referido ato, dando ênfase em sua fala ao estado de exceção e o crime contra os que lutam, em especial em relação à execução de Marielle Franco, militante do PSOL e vereadora do Rio de Janeiro.

As tarefas apontadas no 1° de Maio

Todas as Centrais Sindicais e as Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular apontam que a forma de retomada da democracia e a libertação de Lula passa pela intensificação da organização da classe trabalhadora. Significa sobretudo renovar o congresso e ampliar nas próximas eleições a bancada de trabalhadores/as. Como agenda está apontada uma ampla luta contra a agenda golpista e pela revogação das medidas implementadas pela mesma. Na dimensão econômica, exigimos mais e melhores empregos, com diretos para todos/as, moradia digna e investimentos em políticas públicas.

O caminho da retomada da esperança já começou a ser trilhados com as greves de servidores em São Paulo, Santa Catarina e Belo Horizonte. A classe trabalhadora tem construído a unidade prática contra o consórcio de forças que querem transformar o país em uma plataforma de acumulação selvagem de capital desconsiderando o trabalho e as demandas econômicas, sociais e políticas do nosso povo. Diante disso a UNIDADE, a RESISTÊNCIA e ORGANIZAÇÃO da classe trabalhadora.

CLIQUE AQUI E VEJA AS FOTOS DESTE 1º DE MAIO DE RESISTÊNCIA

Viva o 1° de Maio de Resistência

Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Foto de capa: Ricardo Stuckert


ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

[maxbutton id=”1″ ]

[maxbutton id=”3″ ]

[maxbutton id=”2″ ]

[maxbutton id=”4″ ]

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários