SC: Mulheres da saúde em greve neste 8 de março

Achou esta informação importante? Compartilhe em suas redes sociais:

Saiba mais:
Pressione deputados da Comissão da Reforma da Previdência: acesse a lista!
→ Baixe o Jornal da Reforma da Previdência
 Vídeo (3 min.): Wagner Moura e Povo Sem Medo explicam a reforma da Previdência
→ Vídeo (2 min.): Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


Nesse ano, entidades e organizações de todo o mundo estão organizando uma greve internacional das mulheres no 8 de março.  O objetivo é mostrar para os patrões do Brasil e do mundo que nossas vidas importam, que representamos mais de metade da população no planeta e que somos fundamentais para movimentar a economia e garantir o funcionamento da produção de riqueza (agricultura, indústria, serviços públicos essenciais, comércio, etc) das nossas nações.

Os motivos para nos mobilizarmos são muitos: a cada 11 minutos uma mulher é vítima de violência doméstica no Brasil; a cada 2 horas registra-se um homicídio feminino; ainda recebemos menores salários para exercer a mesma função com a mesma carga horária que os homens; o cuidado e a responsabilidade com os filhos ainda pesa totalmente apenas sob as mulheres.

E, recentemente, temos uma nova grande razão para participarmos das atividades do 8M Internacional: a Contrarreforma da Previdência. Um dos maiores ataques a nossa aposentadoria está tramitando no Congresso Nacional e nós precisamos dizer NÃO. A Contrarreforma nos desrespeita ao igualar a idade mínima de aposentadoria entre homens e mulheres, ignorando que nós mulheres temos jornada dupla ou até tripla e por isso chegamos a uma idade mais avançada com uma saúde muita mais debilitada.

Além disso, ela torna impossível a aposentadoria para grande parte de nós mulheres, sobretudo as trabalhadoras do campo, já que exige um mínimo de 25 anos de contribuição. Sabemos que apenas por sermos mulheres, já temos maior dificuldade de manutenção em empregos fixos, apenas pelo fato de termos filhos ou podermos engravidar. Não são poucos os relatos de mulheres que sofrem com assédio moral ou até mesmo sexual nas entrevistas ou locais de trabalho. Isso precisa parar! E por isso nós paramos!

Nossa categoria é composta majoritariamente por mulheres.  Todas as reivindicações que nos dizem respeito, também afetam mulheres de outras categorias. Por isso, o SindSaúde/SC se soma às atividades do 8 de março no nosso estado e convoca todas as trabalhadoras da saúde para se unirem à essa luta!

– Contra o desmonte da previdência!

– Pelo fim da violência contra a mulher!               

– Por salários iguais, pela valorização do trabalho doméstico;

– Contra a discriminação racial;

– Contra a violação dos direitos das mães e seus filhos;

– Pela vida de todas as mulheres do campo e da cidade.

Fonte: Sindsaúde-SC

Postagens Relacionadas

Achou esta informação importante? Compartilhe em suas redes sociais:

One Comment;

  1. Pingback: LabourNet Germany 8. März 2017: Wenn unser Leben keinen Wert hat, dann streiken wir! Aufruf zum globalen Frauenstreik u.a. » LabourNet Germany

*

Top