Os três golpes na soberania energética

Os três golpes na soberania energética

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:

→ Campanha em defesa do Setor Elétrico Público


A agenda de desmonte do setor energético se configura com o núcleo do interesse do consórcio golpista. Duas operações recentes do Governo Federal indicam esta afirmação: as manobras relativas a entrega da Petrobras e da Eletrobras.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Eletrobras: o golpe rápido

Por meio de Decreto nº 9.375, Temer autorizou o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) a dar início a contratação de estudos relativos a preparação para o processo de privatização da Eletrobras, antes mesmo da aprovação do Projeto de Lei 9463/2018 que está em tramitação no Congresso e que prevê a venda da estatal de energia.

Temer corre contra o tempo, ele quer encurtar os procedimentos relativos a privatização ao máximo e evitar que o calendário eleitoral impossibilite a venda da Eletrobras ainda neste ano. A pretensão do presidente golpista é, ao aprova a privatização da Eletrobras, todos os procedimentos necessários a venda já devem estar concluídos e assim, por meio de uma manobra rápida, para impedir qualquer reação da sociedade, ele já execute o leilão. A aceleração dos procedimentos ainda impedem que a discussão sobre os termos da venda seja pauta nacional, dado possibilidade de vender de maneira mais barata a estatal.

A gana pela privatização da Eletrobras chegou a limite do absurdo. A Rede Brasil atual indicou em reportagem recente, que a empresa pagou 2 milhões de reais, sem licitação, para que uma agência de comunicação piorasse a imagem da própria empresa.

A proposta de privatização é tão atrapalhada, que nem mesmo o valor pretendido com a privatização está de fato consolidado. O governo justifica a privatização por ela mesma, e não por uma argumento de ordem financeira, como geralmente se espera de uma proposta neoliberal. Fica claro que o objetivo é liquidar o patrimônio público, independente e sobre qualquer outro argumento.

Petrobras: o golpe baixo

A Petrobras, mesmo com toda a campanha de desmoralização promovida pela Lava-Jato e a mídia golpista, é considerada pelo povo, como um patrimônio nacional inalienável. Diante deste quadro Pedro Parente, o presidente da estatal, a mando de Temer promove o “golpe baixo”, fatia o capital da empresa e vende ao setor privado e reduzi os projetos de expansão com o intuito de encolhê-la. Assim, usando de expediente traiçoeiro o golpe entrega nossa empresa estratégica de energia para o “oleopólio” internacional.

Segundo o portal GGN, a tática de parente é fatiar e “desinvestir” a Petrobrás, que só no primeiro trimestre de 2018 já vendeu ativos na ordem de 7,5 bilhões de reais, pouco menos do que todo montante liquidado no ano passado.

A segunda peça da tática é o “desinvestimento”. Mesmo em áreas totalmente lucrativa, a direção da empresa tem voluntariamente forçado a retirada da empresa. A venda de ativos foi maior no setor de transporte de combustível dentro do Brasil, o que significa retirar a maior parte da capacidade logística da empresa. Em território nacional já foram US$ 18,85 bilhões, desde 2015 e no exterior US$ 5.95 bilhões.

As principais beneficiárias com a tática de Pedro Parente são as empresas Statoil (estatal norueguesa), Shell (anglo-holandesa), ONGCC (indiana),  China National Petroleum Corporation – CNPC (estatal chinesa) e a  Brookfield Infrastructure Partners (BIP) – que possui a sede em Bermunda, um paraíso fiscal- cuja a propriedade é incerta.

Privatização da energia: o golpe mortal

A política energética é uma das peças fundamentais da organização de um estado soberano. O que está em jogo com a privatização da Eletrobras e da Petrobras é a viabilidade nacional brasileira. Sem segurança energética, sem controle público sobre a produção, distribuição e desenvolvimento tecnólogico todas as cadeias produtivas nacionais ficaram condicionadas aos interesses do grande capital privado, uma situação que não é suportada por nenhuma nação soberana. Países como Canadá, EUA  e China consideram o setor elétrico como tema de segurança nacional e portanto estão diretamente sobre controle estatal. Abrir mão da energia é abrir mão da soberania.

A Intersindical- Central da Classe Trabalhadora tem emepenhado na Campanha contra as privatizações do setor elétrico e de energia. Além da soberania, a privatização das estatais significa a produção de desemprego e precarização do trabalho, além de impor aumentos abusivos nos preços da eletricidade e combustíveis para toda a população.

Diante deste quadro é fundamental que seguimos avançando na unidade dos movimentos populares e sindical na resistência contra os projetos de privatizações, na luta pela revogação de todas as medidas do governo golpista, e na democratização do Congresso Nacional em 2018, só assim conseguiremos estabelecer uma correlação de forças que salvaguarde a soberania do país e o bem-estar do povo.


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Facebook Intersindical

Instagram Intersindical

YouTube Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

LIVE de preparação para o Encontro Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Setor Público
LIVE de preparação para o Encontro Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Setor Público
AGENDA LEGISLATIVA DA CLASSE TRABALHADORA [Intersindical Debate #35]
AGENDA LEGISLATIVA DA CLASSE TRABALHADORA [Intersindical Debate #35]
24J Fora Bolsonaro em Todo o Brasil - Vai Ser GIGANTE!
24J Fora Bolsonaro em Todo o Brasil - Vai Ser GIGANTE!
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Lucas
Lucas
2 anos atrás

Quem é o autor deste texto?