Trabalhadores protestam contra Reforma Trabalhista em frente ao apartamento de Rogério Marino (PSDB)

Trabalhadores protestam contra Reforma Trabalhista em frente ao apartamento de Rogério Marino (PSDB)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Câmara ameaça votar essa semana fim da CLT


Manifestantes protestam contra projeto da Reforma Trabalhista, em frente ao apartamento do deputado federal do RN e relator Rogério Marino, em Petrópolis

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB) e relator da Reforma Trabalhista, tem passados maus bocados após ter assumido a relatoria deste projeto da Reforma Trabalhista, além das esculhambações que tem sofrido nas mídias sociais, na manhã desta segunda-feira 23, manifestante foram para frente do prédio do deputado na Floriano Peixoto, em Petrópolis.

Aos gritos os manifestantes também levaram um carro de som, panela e estão fazendo buzinaço, contra a aprovação da Reforma Trabalhista.
Com a aprovação do PL 6.787/16, o parecer muda cem pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), decreto de 1943.

Antes, a terceirização era permitida somente nas chamadas atividades-meio, ou seja, que não são o principal objetivo da empresa, como limpeza, segurança e conservação. A Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) veda a terceirização da atividade-fim.

O trabalhador será pago de acordo com a produtividade e não conforme as horas trabalhadas, como é na CLT. O texto irá acabar com os 15 minutos de descanso a que as trabalhadoras têm direito antes de começar a hora extra. Marinho propõe também o fim do artigo da CLT que diz que mulheres não podem entrar com ações trabalhistas sem autorização do marido e com o que proíbe mulheres acima de 50 anos de parcelar as férias.

Em falar que o serviço público poderá contratar a vontade terceirizados, assim diminuindo obviamente os concursos públicos que já são quase inexistentes.

Fonte: Blog Thalita Moema (via postagem em seu perfil no Facebook)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários