Aldo Santos | Total solidariedade aos servidores acampados na Câmara de S. B. do Campo

Aldo Santos | Total solidariedade aos servidores acampados na Câmara de S. B. do Campo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
  • Aldo Santos*

Em greve desde o dia 13 de março de 2015, os funcionários da cidade de São Bernardo do Campo estão dando uma grande demonstração de união, organização e determinação naquilo que pleiteiam. O prefeito da cidade é um experiente sindicalista, já foi presidente do sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo, presidente da Central Única dos Trabalhadores e ministro do trabalho no governo Lula. Reeleito para o segundo mandato de prefeito na cidade, Luiz Marinho PT precisa colocar em prática pelo menos uma pequena parcela do que aprendeu como sindicalista.

A deflagração de uma greve significa o esgotamento das negociações  entre governo e seus representantes, porém, a pauta de reivindicação não poderá ser desconsiderada por nenhuma das partes.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Certamente o prefeito subestimou a capacidade de reação dos servidores cansados pelo descaso administrativo, atingidos pela crise econômica que o país vivencia, numa conjuntura profundamente hostil a classe trabalhadora.

Sem a efetiva abertura de negociação, os servidores aos milhares marcham pelas principais ruas da cidade, repetem o “simbólico abraço ao paço” e parte dos servidores acamparam na câmara municipal numa tentativa deliberada de abertura das negociações.

Insensíveis aos reclamos dos servidores, a câmara está cercada pelo aparato repressor a serviço dos poderes, impedindo os munícipes de adentrarem a tão propalada “casa do povo”.

É profundamente lamentável que na “casa do povo” se pratique uma espécie de “cárcere privado” com servidores e contribuintes do município. Se o acesso fosse democrático, todos poderiam entrar e sair livremente e talvez a própria ocupação não se fizesse necessária.

 Os servidores que estão acampados e isolados no poder legislativo apenas  exigem o diálogo, respeito, valorização profissional e atendimento a pauta de reivindicação, fartamente conhecida dos vereadores e do prefeito da cidade.

Em 1993 os professores do Estado ficaram nove dias acampados dentro da Assembleia legislativa do Estado de São Paulo, numa greve duríssima. Cortaram a água, a luz e o telefone, mas mesmo assim, a solidariedade de classe nunca esteve ausente. Força, coragem, garra e determinação, pois essa ocupação juntamente com a força do movimento fará o prefeito recuar, receber os representantes a atender a pauta de reivindicação pleiteada.

Sempre temos orgulho dos lutadores que resistem, lutam e constroem um mundo novo com justiça e igualdade social.

Solicitamos aos movimentos organizados que se manifestem em apoio a essa importante ocupação que está acontecendo no poder legislativo de São Bernardo do Campo. A vitória pertence à classe trabalhadora!

Ousar lutar, ousar vencer sempre!

__________________
Aldo Santos 001 151 x 196*Aldo Santos – Membro da Executiva da APEOESP de SBCampo, Presidente da APROFFESP/APROFFIB e membro da Executiva Nacional da INTERSINDICAL.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários