Técnicos-administrativos em Educação fazem paralisação nacional em diversas capitais

Técnicos-administrativos em Educação fazem paralisação nacional em diversas capitais

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Os trabalhadores técnico-administrativos em Educação realizaram hoje (24) paralisação nacional para protestarem, entre outras reivindicações, contra a cobrança dos cursos de especialização nas universidades públicas (PEC 395/2014), contra mudanças na Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp), em defesa dos Hospitais Universitários e contra a cessão dos trabalhadores estatutários à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

No Rio Grande do Sul houve Assembleia Geral e ato na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com cerca de 200 servidores. Foi aprovadapor aclamação moção de repúdio a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) que se posicionou contra a jornada de 30h para todos; e encaminhamento à Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra) de reivindicação de campanha nacional pelas 30h para todos e pela paridade.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em Fortaleza (CE), cerca de 400 pessoas participaram de um ato na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac) da Universidade Federal do Ceará (UFC) contra a cessão de trabalhadores técnico-administrativos para a Ebserh. Trabalhadores terceirizados, que serão demitidos, também fortaleceram a luta.

Rio Grande do Norte, houve ato público em frente ao Hospital Universitário Onofre Lopes em Natal-RN, também contra a cessão de servidores à Ebserh. Depois, seguiram em marcha à Câmara Municipal para audiência pública que discutiu as relações de trabalho no ambiente hospitalarsolicitada por Sandro Pimentel, técnico-administrativo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que teve o tema: “Cessão de servidores dos hospitais universitários: solução, caos ou abandono?”.

A adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para gestão de alguns hospitais universitários tem gerado desconforto nas relações interpessoais entre trabalhadores estatutários – servidores públicos do Regime Jurídico Único (RJU) – e trabalhadores celetistas – funcionários de empresa pública, regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

No Pará, os trabalhadores técnico-administrativos fecharam o portão do Hospital Universitário João de Barros Barreto em Belém.Em Sergipe, houve ato na porta do Hospital Universitário em Aracajú, para lutar contra a privatização dos serviços públicos e em defesa dos direitos, com panfletagem e diálogo com a população.

No Mato Grosso do Sul, houve mobilização dos trabalhadores na entrada do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian em Campo Grande-MS. Em São Carlos (SP), os servidores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) aderiram à paralisação.No Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em Belo Horizonte, houve panfletagem e conversa com os trabalhadores e o público.

Motivos da paralisação

Contra a PEC 395/14

O artigo 206, da Constituição Federal, prevê que o Estado deve garantir a gratuidade do ensino em todos os níveis, nos estabelecimentos oficiais. Na contramão das transformações que a educação pública necessita, para transformar o Brasil em uma “Pátria Educadora”, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 395/2014 aprovada em 1º turno no Congresso Nacional, pretende legalizar a cobrança pelas Instituições de Ensino Superior Públicas dos cursos de extensão, pós-graduação lato sensu e de mestrado profissional.

A “legalização” de cobrança comprometerá o acesso democrático das populações carentes, que ingressam na Universidade por meio de políticas de ações afirmativas. A privatização dos cursos de especialização abre definitivamente a venda de serviços na Universidade, contradizendo com o Plano Nacional da Educação e com o modelo de universidade comprometido com ensino, pesquisa e extensão com qualidade referenciada socialmente.

Contra a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp) e as demais propostas de Previdência Complementar

Desde o dia 24 de abril de 2013, os trabalhadores técnico-administrativos poderiam optar pela adesão ou não à Funpresp.Exe. Mas, ao final de 2015, o governo federal aprovou a Lei 13.183/2015 e as Orientações Normativas nº 9 e 10, em que todos os recém-concursados são obrigados a aderir automaticamente à Funpresp.

Para a Fasubra, a adesão automática fere a Constituição Federal. De acordo com o parágrafo 16º do Artigo 40, a adesão ao regime de previdência complementar acontece somente com a opção do servidor. O artigo 202 afirma ser facultativa a opção, ou seja, somente pela vontade do servidor. Segundo a federação, a baixa adesão dos trabalhadores do serviço público federal à Funpresp desde sua criação motivou a aprovação da lei pelo governo federal.

Contra a reforma da Previdência

A seguridade social é um direito do cidadão e dever do Estado e que diante da reforma previdência, principalmente as mulheres serão afetadas. O Estado ignora toda a conjuntura da mulher que tem dupla e tripla jornada de trabalho. O Estado tem atacado os direitos deixando o cidadão desprotegido e jogando nas costas do trabalhador a conta da crise promovida pelo próprio sistema financeiro internacional.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários