ditadura civil-miltar

AI-5 nunca mais: Centrais repudiam declarações de Eduardo Bolsonaro

O movimento sindical brasileiro repudia as declarações ameaçadoras do líder do governo Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), em que advoga um novo AI-5 para reprimir as forças do campo democrático, popular e as lutas sociais. A fala covarde e irresponsável do filho do Presidente da República é mais uma “cortina de fumaça” utilizada pra tentar abafar as relações nada republicanas da família Bolsonaro com as milícias.

asco e desprezo, jair bolsonaro, presidente, homem, homem sozinho

A Bolsonaro, todo nosso asco e desprezo

O sujeito que ocupa a cadeira da Presidência da República mais uma vez fez apologia à ditadura militar, à tortura e ao assassinato de dissidentes políticos. Para atacar o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Bolsonaro disse que sabia como havia morrido seu pai, desaparecido pelo regime militar em 1974.

Nota de apoio à Amelinha Teles e sua filha, Janaina Teles | Intersindical

Nota de apoio à Amelinha Teles e sua filha, Janaina Teles

Nós, familiares de mortos e desaparecidos políticos, defensores de direitos humanos, organizações e entidades abaixo-assinadas, nos solidarizamos com Amelinha Teles, ex-presa política e histórica defensora de direitos humanos e sua filha Janaína Teles, historiadora e defensora de direitos humanos. Ambas vêm sendo alvo de uma onda de ataques nas redes sociais.

Os 30 anos da Constituição e a democracia por um fio | Intersindical

Os 30 anos da Constituição e a democracia por um fio

Símbolo do novo pacto social após a queda da ditadura, a Carta consagrou direitos sociais e trabalhistas do povo brasileiro. Mais que isso, significou o desejo de democracia e liberdades políticas do povo brasileiro.

Assim como Mourão, jornal O Globo e FIESP foram contra 13º salário

“Considerado desastroso para o país um 13º mês de salário”. Esta foi a manchete de capa do jornal O Globo em 26 de abril de 1962 em um dos últimos atos de desespero da família Marinho e do grande empresariado contra a gratificação de natal ao trabalhador, que seria instituída pelo presidente João Goulart três meses depois.

24 de março: 5° Ato Unificado Ditadura Nunca Mais

24/03: 5° Ato Unificado Ditadura Nunca Mais

24/03: 5° Ato Unificado Ditadura Nunca Mais! Pela transformação das dependências do antigo DOI-CODI/SP em lugar de memória. Lá, foi o maior centro de tortura e extermínio da Ditadura Militar em todo o Brasil. Por aquele lugar passaram pelo menos 5.000 pessoas que sofreram as piores aberrações.

Governo suspende Comissão da Verdade no Ministério do Trabalho

Governo suspende Comissão da Verdade no Ministério do Trabalho

O Grupo de Trabalho da Comissão da Verdade no Ministério do Trabalho criado para investigar as violações no período da ditadura civil-militar foi suspenso na data de hoje, 05 de outubro, curiosamente, no dia em que completa vinte e nove anos da promulgação da Constituição de 1988, marco da redemocratização do país

Documentário 'Cúmplices? A Volks e a ditadura militar brasileira'

A Volkswagen e seu passado sujo na ditadura militar serão exibidos em filme nesta quarta-feira (9), em SP

O documentário ‘Cúmplices? A Volks e a ditadura militar brasileira’ sobre a cooperação da Volkswagen com os militares será exibido na Câmara Municipal de São Paulo nesta quarta-feira (9), às 18h. A exibição contará com a presença de trabalhadores lutadores da Volks que têm se reunido regularmente para discutir o assunto e encaminhar medidas contra a empresa. Haverá um debate e esclarecimentos.

General admite possibilidade de intervenção militar em artigo no Estadão

Em artigo publicado na quinta-feira passada (15) no jornal O Estado de S. Paulo, um dos mais influentes militares das gerações que atuaram durante a ditadura militar, o general da reserva Rômulo Bini Pereira, ex-chefe do Estado Maior do ministério da Defesa, admite a intervenção militar como saída para a crise política que envolve os três Poderes da República.

Paula Coradi | O tempo não para

Paula Coradi* “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa.” Karl Marx, Dezoito Brumário