Sindifort e Intersindical realizam manifestação contra a crise e o ajuste fiscal em Fortaleza

Sindifort e Intersindical realizam manifestação contra a crise e o ajuste fiscal em Fortaleza

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Sindifort (Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza) e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora realizaram na quinta-feira (28) com o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e outros movimentos sociais que integram a Frente Povo sem Medo, ato e caminhada pelas ruas do centro de Fortaleza (CE), contra a reforma da Previdência e o ajuste fiscal. Com a chamada “Não causamos a crise e não pagaremos por ela”, os movimentos reafirmam lutas por políticas para a juventude e pela garantia dos direitos dos trabalhadores.

“Unificamos a pauta dos trabalhadores com a do MTST e os movimentos de moradias nos bairros”, explica Nascélia Silva, presidente do Sindifort.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Além do reajuste salarial para servidores e empregados públicos municipais, o ato exigiu concursos públicos e o fim da terceirização, a auditoria da Dívida Pública, moradia digna, apuração e punição dos culpados pela chacina ocorrida em Messejana, em novembro do ano passado, e políticas para a juventude.

A Prefeitura Municipal de Fortaleza (PMF) marcou uma audiência com representantes do Sindifort para discutir a pauta de reivindicações dos servidores e empregados públicos no próximo dia 15 de fevereiro para dar um posicionamento oficial sobre as reivindicações e se mostrou aberta às reivindicações da juventude.

Os manifestantes se concentraram na Praça da Faculdade de Direito da UFC, saíram em caminhada pelas ruas do Centro e neste momento se dirigem ao Paço Municipal.

Reivindicações dos servidores

Em campanha Salarial desde novembro de 2015, o funcionalismo municipal de Fortaleza tem data base em 1º de janeiro e o índice de reajuste reivindicado é de 19,46%, o que equivale a recuperar o poder de compra que os servidores e empregados públicos tinham em maio de 2008.

Conforme o estudo do economista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Aécio Oliveira, “a inflação acumulada de maio de 2008 até dezembro de 2015 foi 64,66%, enquanto que os salários foram reajustados em 37,84%. Os salários dos servidores municipais de Fortaleza tiveram uma perda expressiva. Será necessário um reajuste de salários de 19,46%, a partir de 1º de janeiro de 2016, para recuperar o poder de compra de maio de 2008”. O indicador utilizado foi o Índice Nacional de Preços ao Consumir da Região Metropolitana de Fortaleza ( INPC-RMF).

Além do reajuste, uma das principais reivindicações dos servidores é que seja assegurado no Programa Habitacional da prefeitura um percentual das moradias construídas para os servidores que não possuem casa própria.

Fonte: O estado do Ceará

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários