Reforma da Previdência de Dória é aprovada a base de gás lacrimogêneo

Reforma da Previdência de Dória é aprovada a base de gás lacrimogêneo

reforma da previdência de dória

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

É aprovada em 2° turno na ALESP, por 59 votos a favor e 32 contrários, a Reforma da Previdência do Estado de São Paulo que retira direitos dos servidores estaduais. Dória utiliza a PM contra os servidores que ocupavam a Assembleia Legislativa.

Nesta terça-feira (3/3), às 9 horas, em sessão extraordinária foi à votação em 2° turno a Reforma da Previdência elaborada pelo governo João Dória (PSDB). A Reforma da Previdência aprovada altera a Constituição Estadual por meio de uma Emenda Constitucional (PEC). Junto à PEC, que não precisa de sanção do governador, também foi aprovado o Projeto de Lei Complementar (PLC) que regulamenta as alterações aprovadas e que irá para sanção do governador.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Mas a aprovação foi marcada por episódios de brutal repressão por parte da Polícia Militar que disparou bombas de gás lacrimogêneo e tiros de borracha contra os milhares de servidores que manifestaram no interior da ALESP. Parte dos manifestantes foram forçados a se saírem do prédio e a repressão continuou no entorno da Assembleia.

A forte repressão contra os servidores é a marca da Reforma da Previdência de Doria, que está em consonância com as políticas de retirada de direitos tomadas pelo Governo Federal e que tem amplo apoio dos grandes meios de comunicação.

A Reforma da Previdência Estadual aumenta de 11% para 14% a alíquota de contribuição dos servidores públicos do estado de São Paulo, amplia o tempo de contribuição para 25 anos e estabelece a idade mínima para a aposentadoria em 62 anos para servidoras e 65 para servidores.

A equipe de jornalismo da Intersindical registrou a ação da PM, que sem dúvida violaram o direito à livre manifestação. O direito ao protesto é um princípio fundamental de uma sociedade democrática, ao violá-lo se corrompe um dos pilares da cidadania, o direito ao contraditório.

Doria, a cada dia, se revela o equivalente paulista de Bolsonaro, e comparte com este último os ideais de uma sociedade sem direitos, sem voz e governadas para atender aos interesses do setor financeiro.

A Intersindical está junto às lutas dos servidores estaduais de São Paulo, que não terminam com a votação desta PEC. Os milhares de servidores mobilizados durante a votação na ALESP são prova de que está a resistência continua.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários