Paralisação Estadual por Piso Salarial e reajuste dos salários dos/as funcionários/as da educação!

Paralisação Estadual por Piso Salarial e reajuste dos salários dos/as funcionários/as da educação!

Paralisação Estadual

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O ano de 2020 começa em alta temperatura no seio de nossa categoria. O aprofundamento dos ataques ao serviço público praticados por Bolsonaro, e acompanhado pelos governos estaduais e municipais, impõem ainda mais organização, resistência e luta de nossa categoria.

As greves que aconteceram no país, especialmente a petroleira, mostram a necessária reação da classe trabalhadora, demonstrando que o preço pago pelos combustíveis no Brasil é aviltante que a única possibilidade de garantir direitos é com luta e com participação.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

No Pará, a Reforma da Previdência “enfiada goela abaixo” por Helder, com toda a cumplicidade e apoio do presidente da ALEPA – Daniel, derrubou por completo o discurso de valorização e respeito ao serviço público paraense, deixando um rastro de insatisfação e indignação.

Embora tenhamos conseguido arrancar do governo dois reajustes que totalizaram o percentual do Piso 2019 (4,17%), integralizados apenas em janeiro deste ano, além de 50% das progressões, muitos dos graves problemas na educação continuam, como as precárias condições das escolas, o não cumprimento do percentual do Piso 2020 (12,84%) logo em janeiro, a falta de reajuste dos funcionários da educação, o não cumprimento do calendário para as eleições diretas nas escolas previstas em lei, e etc., aprofundam a insatisfação da categoria que aumenta a cada dia sem resposta, podendo até culminar em greve na rede estadual de ensino.

Como se não bastasse tantos problemas, a troca da titular da SEDUC, em pleno retorno às aulas, tem deixado a secretaria sem encaminhamentos básicos, prejudicando professores/as em suas lotações, repassando orientações confusas às escolas, causando toda espécie de problemas para nossa categoria.

DEFENDER OS DIREITOS E A DEMOCRACIA BRASILEIRA

Não há precedentes na história recente de nosso país da quantidade de ataques aos direitos e à nossa já frágil democracia.

As reformas em curso no país, pós reforma da previdência, vêm no sentido de transformar o Brasil num país sem nenhuma garantia básica aos/às trabalhadores/as, relegando cada vez mais à miséria e ao abandono nosso povo.

O aprofundamento da crise econômica, com as sucessivas altas do dólar, mostra que nenhuma das reformas em curso tem por objetivo melhorar a vida do povo, mas, apenas, aumentar o lucro dos grandes grupos de poder, aumentando a exploração e desalento para trabalhadores/as.

Para piorar esse cenário catastrófico, o irresponsável presidente continua atentando contra a constituição brasileira, ecoando as pautas retrógradas e antidemocráticas que ocupam espaço no cenário político atual.

Há de se qualificar o debate entre nossa categoria e não permitir que a defesa das instituições, como a defesa do funcionamento adequado e pleno dos poderes, seja confundido com defesa de corruptos e corruptores.

Não nos resta dúvida dos limites dessa democracia burguesa, cujo poder econômico desequilibra os processos eleitorais, a aprovação das leis, e até a garantia da aplicação das legislações, sendo a corrupção um processo lamentavelmente epidêmico, atingindo os três poderes.

Nós entendemos que nossa democracia tem que ser fortalecida se garantindo direitos para nosso povo e defendendo a educação como possibilidade de superação desta triste realidade. Seguiremos lutando por uma sociedade mais justa, fraterna e solidária, em que o respeito às diferenças, à natureza, aos direitos e ao bem público se estabeleçam como uma cultura avançada do povo brasileiro.

08 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA MULHER TRABALHADORA

Foi repassada a agenda do Dia Internacional da Mulher, que em Belém realiza ato público em 8 de março, com concentração às 9h na Escadinha do Cais do Porto.

5 de março – PARALISAÇÃO ESTADUAL, com ato público na SEAD.
8 de março – ato do Dia Internacional da Mulher – 9h – (Escadinha)
18 de março – GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO.
26 de março – próxima Assembleia Geral Estadual.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários