Intersindical aponta: ocupar Brasília e preparar nova GREVE GERAL

Intersindical aponta: ocupar Brasília e preparar nova GREVE GERAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Centrais voltam a se reunir com DIEESE, nesta segunda (08) e resolvem adiar grande marcha a Brasília para o dia 24/5! Abaixo segue a resolução da Executiva Nacional da Intersindical reunida em 05/05. Amanhã nova reunião trará últimos detalhes.

A Executiva Nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, reunida no dia 05/05/2017 em São Paulo orienta seus sindicatos, dirigentes, militantes e a classe trabalhadora em geral, o que segue:

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

No último 28 de abril a classe trabalhadora e os aliados do povo brasileiro realizaram a mais importante e significativa GREVE GERAL da nossa história. De norte a sul do país, mais de 40 milhões de pessoas aderiram à greve convocada pelas centrais sindicais, pela Frente Povo Sem Medo em unidade com a Brasil Popular, apoiada por diversos setores sociais comprometidos com os direitos da maioria da população brasileira. Diante do maior ataque aos direitos trabalhistas, previdenciários e sociais que se tem noticia, não faltou apoio de entidades e organizações importantes, como a CNBB, várias igrejas evangélicas, entidades do mundo jurídico do trabalho, pequenos comerciantes, além da forte e decisiva adesão popular.

Não tem adiantado as toneladas de mentiras repetidas todos os dias na Rede Globo e demais meios dos bilionários, que reproduzem as patifarias do governo golpista e da parcela de parlamentares vendilhões da pátria, financiados pelos banqueiros, grandes empresários e outros rentistas. Tampouco adiantou ou adiantará as tentativas de repressão e criminalização aos que lutam.  A greve é um direito constitucional e os setores sociais que a realizaram estão lutando exatamente para manter a Constituição Federal de 1988, que está sendo rasgada pelo executivo ilegítimo e pela maioria legislativa vendida ao grande capital.      

À forte adesão de milhões de trabalhadores/as que cruzaram os braços no dia 28 de abril, se somou o apoio massivo dos milhões que ficaram em suas casas, conversando, debatendo e tomando conhecimento do tamanho do prejuízo que causaria a aprovação do fim da aposentadoria, do desmonte da CLT e dos direitos trabalhistas e a legalização da terceirização e pejotização geral e irrestrita.

A ampla unidade do movimento sindical, popular e democrático foi fundamental para o sucesso da GREVE GERAL. Essa unidade deve ser preservada e ampliada, na perspectiva da defesa da classe trabalhadora, da maioria do povo e do Brasil. Neste sentido, reafirmamos nossa decidida disposição de somar no calendário unitário proposto no fórum das centrais sindicais, com a ocupação de Brasília, aliando à necessidade de, nesse processo, já ser instrumento de construção da segunda GREVE GERAL de 2017, na medida em que o governo não recuar do desmonte geral dos direitos sociais e garantias estabelecidas na Constituição.

Nossos sindicatos, dirigentes, militantes e apoiadores devem redobrar os esforços na construção dessa agenda, fortalecendo os comitês locais de debates e articulação da luta, ampliando o trabalho nas bases das categorias, nos locais de trabalho, moradia, estudo, nas igrejas, comunidades etc.

Vamos ocupar Brasília e chacoalhar o congresso de maioria antipopular. Vamos, também, aumentar a pressão sobre os parlamentares, deixando claro que quem votar contra os trabalhadores nunca mais vai receber o nosso voto. Esses parlamentares terão seu nome e cara estampados nos postes, redes sociais, outdoors e dentro dos lares, através dos imãs de geladeira que lembrarão para sempre o nome dos traidores do povo.   

SEGUNDA GREVE GERAL. Assim, desde já, no cotidiano da construção da ocupação de Brasília, debater e apontar a luta ainda mais forte, participativa e contundente GREVE GERAL no Brasil.

Vamos todos/as juntos/as. Fortalecendo a unidade, ajustando os ritmos, uniformizando as informações, ampliando a organização e a capacidade para dobrar, no amor ou na dor, a intransigência daqueles que, mesmo sem legitimidade ou apoio popular, querem destruir as conquistas de décadas de luta para aumentar os lucros e as fortunas dos bilionários, donos do dinheiro e do ‘poder’ no Brasil. O único poder legítimo é aquele que emana da vontade expressa do povo. E Temer é rejeitado por 92% da população brasileira, juntamente com seus asseclas do parlamento. Em defesa da aposentaria e dos direitos trabalhistas! Não à Terceirização. Fora Temer!

São Paulo, 06 de maio de 2017.
Executiva Nacional da INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários