NOTA PÚBLICA: Pela intransigente defesa do direito à realização de greve

NOTA PÚBLICA: Pela intransigente defesa do direito à realização de greve

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A AJD (Associação Juízes para a Democracia) vem a público manifestar sua intransigente defesa da possibilidade de realização de greve, fato social alçado à condição de direito fundamental na Constituição de 1988. Atualmente, categorias fundamentais para o funcionamento das estruturas sociais estão em greve. É o caso dos petroleiros, dos servidores públicos da DATAPREV, dos servidores da Casa da Moeda, dos caminhoneiros, dos professores.

A chamada “grande mídia”, alguns veículos de comunicação que entram todos os dias nas casas das brasileiras e dos brasileiros, tem promovido um silêncio irresponsável em relação a esses movimentos sociais. Do mesmo modo, há decisões judiciais negando a possibilidade da greve, promovendo violento boicote à ordem constitucional vigente. Esse movimento de retrocesso social tem efeitos que extrapolam os interesses da classe trabalhadora. Atingem toda a sociedade.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A negação sistemática da possibilidade de uso da via institucional de reivindicação por mudanças, num momento em que direitos básicos, como o de receber salário ou manter-se empregado, são desrespeitados, poderá determinar a necessidade de utilização de outros mecanismos de pressão, que desbordem dos limites constitucionais. O reconhecimento da fundamentalidade do direito de greve não ocorre por acaso. A história tem insistentemente demonstrado que a pressão coletiva por mudanças é um caminho democrático e saudável para a construção de uma sociedade mais livre e menos desigual.

A aposta no caos, revelada pela omissão de setores da imprensa, pela negação da possibilidade de fazer greve e pela asfixia dos sindicatos, promovida pelas recentes alterações na legislação trabalhista, é marca de uma violência estrutural que precisa ser superada, pois inaceitável no âmbito de uma sociedade que se pretende justa, fraterna e solidária.

AJD – 19.02.2020

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários