No Pará, Escola Marcílio dias paralisa atividades e realiza caminhada para denunciar precariedade no ensino

No Pará, Escola Marcílio dias paralisa atividades e realiza caminhada para denunciar precariedade no ensino

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Sintepp Subsede Gurupá informa que a Escola Estadual Marcílio Dias, no Arquipélago do Marajó, iniciou ontem (14) paralisação devido às precárias condições de ensino a qual aquela comunidade está sendo submetida.

A escola, fundada em 1974, e que atende mais de 1.500 alunas (os) do ensino médio regular, Sistema Modular de Ensino (SOME) e Mundiar, além de ser a única do município inteiro para atender a demanda de estudantes das áreas urbana e rural, está com escassez de funcionários, precisa de reforma imediatamente e denuncia a má qualidade do transporte escolar.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nesta terça-feira (14), acompanhando a atividade de paralisação estadual convocada pelo Sindicato, ocorreu na escola uma reunião organizada pela Comissão de pais de alunos e outra reunião mais ampliada que contou com a participação de estudantes, pais e educadores.

Nesta quarta-feira (15) a comunidade realizou caminhada pelas ruas da cidade com faixas e cartazes para esclarecer a sociedade sobre os motivos da paralisação e chamar a atenção do poder público.

A manifestação iniciou por volta das 7h30 na escola, que se localiza na Rodovia Gurupá Pucurui, bairro Centro, e foi rumo ao Ministério Público Estadual (MPE). Lá por volta das 9h00 a Comissão de pais e alunos entregou documentos (ofícios e relatórios) detalhando da real situação da Marcílio Dias.

O MPE entrou em contato com a Secretaria de Educação do Estado (Seduc) e a 13ª URE, que fica no município de Breves, e solicitou que a comunidade aguardasse, pois ainda hoje (15) seria dada uma resposta. A comunidade retornou à escola e permanecerá acampada no prédio.

Observe abaixo algumas situações enfrentadas pelos estudantes da Escola Marcilio Dias:

  • REFORMA DO PRÉDIO

A Escola Marcílio Dias tem 42 anos. A última vez que se tem registro de reforma no prédio é do início de 2007, ou seja, há quase 10 anos e isso de forma inacabada. As salas de aula estão deterioradas e o calor é insuportável. A comunidade exige ainda a construção imediata de uma quadra poliesportiva para a prática de atividades. Atualmente estas práticas são realizadas em um chão acimentado, sem nenhum tipo de cobertura, ou seja, sem a mínima infraestrutura.

  • INSUFICIÊNCIA DE PROFISSIONAIS DE ENSINO

Há falta de professores para ministrar aulas das disciplinas de Física, Matemática, Química e História. Faltam também educadores para os laboratórios de informática e ciência, por exemplo. No corpo técnico falta coordenação pedagógica, e ainda auxiliar de biblioteca.

  • TRANSPORTE SUPERLOTADO E SEM SEGURANÇA

O governo Jatene mais uma vez mostra sua falta de compromisso com a qualidade da educação pública, e pior, submete os estudantes a risco de acidentes graves. Os alunos exigem a ampliação e melhora do transporte escolar daqueles que se deslocam da zona rural.

Em Gurupá, pela especificidade geográfica, este transporte tem que ser feito em embarcações. Lá, diariamente alunos do fundamental e médio que não moram da zona urbana se deslocam suas localidades em barcos para conseguir chegar até as escolas. Existe, portanto, um convênio entre os governos estadual e municipal.

Os relatos da comunidade apontam que em Gurupá as embarcações são muito pequenas, estão sempre superlotadas e não oferecem a devida segurança. Logo, espera-se que o governo tenha uma solução para está questão.

Registra-se ainda durante a manifestação a expressão de descontentamento de estudantes com a má qualidade da alimentação escolar; a preocupação com a preparação para os processos seletivos, como o ENEM, agravada pela falta de professores e pela proposta equivocada de reformulação da Matriz Curricular do Ensino Médio encaminhada recentemente pela gestão Jatene|Ana Hage, questionada pelo Sindicato e pela base da Categoria.

O Sintepp continuará acompanhando as atividades da Marcílio Dias, uma vez que a Comunidade só desocupará o prédio depois que tiver uma resposta da Seduc para a pauta.

Fonte: SINTEPP

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários