“Mundo produtivo destrói corpo produtivo”: Ricardo Antunes, em debate no Unificados

“Mundo produtivo destrói corpo produtivo”: Ricardo Antunes, em debate no Unificados

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O sociólogo Ricardo Antunes afirmou que “O mundo produtivo, no capitalismo, destrói o corpo produtivo”, ao fazer a relação entre a exploração por cada vez mais produção e menos direitos nas empresas, com o crescente número de trabalhadores acidentados, lesionados e mortos no exercício de suas atividades. E ele garante que, se aprovado o projeto de liberação total da terceirização, a situação irá se agravar em muito. Estas declarações foram feitas em debate entre o professor Antunes, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) com trabalhadores, dirigentes sindicais e interessados no assunto, na manhã de hoje (30), na Regional Campinas do Sindicato Químicos Unificados.

O interior das empresas, o chamado “chão de fábrica”, segundo o professor Antunes, é dominado totalmente pelo autoritarismo. “Ao trabalhador, só resta obedecer e adoecer”, afirmou Antunes, exemplificando um dos principais pontos causadores de doenças entre a classe trabalhadora.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Destruição de direito, um projeto mundial

Antunes afirmou que a crise capitalista desde 2008 foi intensificada, pois ela atingiu, ao mesmo tempo, todos os países do Hemisfério Norte (Estados Unidos, Europa…) e também o Japão. Com ela, alastrou-se a tendência mundial para transformar os trabalhadores (todo o proletariado) em informais, sem quaisquer direitos ou garantias contratuais.

Desde então, busca-se a destruição de direitos do trabalho em escala mundial. E que o projeto de terceirização no Brasil encaixa-se neste contexto.

Mais exploração… mais doenças… suicídios

Para o professor Antunes, ainda em escala mundial, foram ampliados os mecanismos de exploração da mais-valia (termo usado para designar a disparidade entre o salário pago e o valor do trabalho produzido/necessário). Sob esta lógica, “há a destruição da saúde do trabalhador, envenenamentos, transtornos psíquicos, envelhecimento precoce e até suicídios.

O sistema de metas inatingíveis, implantado em várias empresas, afeta a dignidade humana por provocar a concorrência entre os próprios trabalhadores, com um cobrando do outro maior produção, inclusive com humilhações, e, ironicamente, em benefício do capitalista que alimenta e se aproveita desta concorrência entre companheiros e companheiras de classe, disse

Fragilização

Em quadro de superexploração no trabalho e de crise, segundo Antunes, os primeiros afetados pela demissão e pelo desemprego são os mais jovens, os que já apresentam fragilização por doenças (inclusive adquiridas nas próprias empresas) e os mais idosos. Antunes conta que esteve ainda neste mês na Espanha, onde o desemprego entre os jovens é de aproximadamente 55%.

Terceirização, “retorno à escravidão”

O professor Antunes é duro crítico em relação ao projeto que libera a terceirização. Ele garante que trata-se de “regressão à escravidão no trabalho, versão século XXI.”

A terceirização, defende Antunes, burla a legislação mínima que os trabalhadores têm em sua defesa e, para além, quebra a organização de defesa destes direitos com a pulverização dos sindicatos e a impossibilidade de organizar a categoria e as lutas em razão do grande número de terceiras diversas atuando no interior das fábricas, tudo isso somado à altíssima rotatividade que ela irá provocar.

Abaixo, artigo de Ricardo Antunes sobre a terceirização, publicado no jornal Folha de São Paulo em 05 de junho:

A servidão involuntária

Desde os primórdios da humanidade a luta pela dignidade do trabalho tem sido prometeica. No Brasil, se o trabalho indígena foi um exercício comunal, a saga europeia do colonizador nos impôs o trabalho compulsório, inicialmente dos aborígenes e depois dos africanos.

Com a abolição da escravatura, o imigrante branco foi escolhido para o mundo industrial, excluindo-se os negros que povoavam a produção rural. E o trabalho negro, especialmente o das mulheres, foi empurrado para o emprego doméstico, perpetuando a herança servil da nova casa-grande urbana.

Foi a partir de 1930 que a modernização capitalista do país obrigou, depois de décadas de lutas operárias, a se pensar em uma legislação social protetora do trabalho.

De modo conflituoso e contraditório, nasceu a CLT, que tinha a aparência da dádiva, mas resultava de uma real impulsão operária. Converteu-se na verdadeira constituição do trabalho no Brasil, ainda que seus direitos excluíssem os assalariados do campo.

Hoje estamos à frente de um novo vilipêndio em relação aos direitos do trabalho, cujo significado e consequência têm requintes comparáveis à escravidão, ainda que em sua variante moderna. Descontentes com os direitos conquistados pela classe trabalhadora, neste contexto de crise, os capitais exigem a terceirização total, conforme consta do projeto de lei nº 4.330/04, agora rebatizado no Senado como projeto de lei da Câmara nº 30/2015.

Em nome da falaciosa “melhoria da qualidade do produto ou da prestação de serviço”, o projeto elimina de uma só vez, a limitada disjuntiva existente entre atividades-meio e atividade-fim.

Uma empresa poderá recorrer a outra, para contratar trabalhadores, eliminando a relação direta entre empregador e assalariado. Como na escravidão. Neste passe de mágica, todas as modalidades de trabalho poderão ser terceirizadas. Até os pilotos de aeronaves.

Com um Congresso lépido e faceiro nas práticas negociais, impulsionado pela lógica volátil do capital financeiro, uma nova servidão involuntária está sendo urdida.

Dinheiro gerando mais dinheiro, na ponta fictícia do sistema financeirizado global e respaldado em uma miríade de formas pretéritas de trabalho (precarizado, flexibilizado, terceirizado, informalizado, “cooperado”, escravo e semiescravo) na base da produção.

As falácias presentes no projeto de lei são todas conhecidas: em vez de criar empregos, ela desemprega, uma vez que os terceirizados trabalham mais tempo e ainda percebendo menores salários.

Em vez de “qualificar” e “especializar”, temos o contrário, pois são nas atividades terceirizadas que se ampliam ainda mais os acidentes, as mutilações, os adoecimentos, os assédios, as mortes e os suicídios. Basta lembrar a indústria petrolífera e de energia elétrica.

Assim, o projeto de lei da Câmara não quer regulamentar os terceirizados, mas de fato desregulamentar o trabalho em geral. Se o quisesse, era só alterar seu o artigo 2º, eliminando a possibilidade de terceirização em “qualquer de suas atividades” e mantendo a regulamentação dos terceirizados que atuam nas atividades-meio. Simples assim, mas isso desmascara o real objetivo do famigerado projeto de lei.

O que motiva os seus defensores é de fato a redução salarial, de custos e de direitos da totalidade da classe trabalhadora, pejotizando ainda mais as relações de trabalho.
Já está mais do que hora de dizer –em alto e bom som– que a terceirização avilta o trabalho em todas as suas formas e deve, por essa razão, ser combatida por todos.

É preciso acrescentar, porém, que o que está na pauta hoje é o risco iminente da terceirização total, inclusive das atividades-fim, que deve ser obstada para que não se gere ainda mais trabalho aviltado.

RICARDO ANTUNES, 62, é professor titular de sociologia da Unicamp. É autor de “Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil III” (Boitempo) e de “The Meanings of Work” (os sentidos do trabalho), publicado na Índia pela editora Aakar Books.

FONTE: Químicos Unificados de Campinas, Osasco, Vinhedo e região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários