MP parcela débitos com INSS em troca de apoio à reforma da Previdência

MP parcela débitos com INSS em troca de apoio à reforma da Previdência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta quarta-feira, (17), a Medida Provisória (MP) 778/17, que parcela os débitos dos estados, Distrito Federal e municípios com a Fazenda Nacional, relativos às contribuições previdenciárias. A MP foi anunciada pelo presidente Michel Temer na “Marcha dos Prefeitos”, que ocorre em Brasília. Os débitos serão parcelados em 200 meses, com 25% a menos de encargos e multas, além da redução de 80% dos juros.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

A proposta busca o apoio dos prefeitos para a reforma da Previdência (PEC 287/16) em tramitação na Câmara dos Deputados. Agora, o governo deverá pressionar os prefeitos para influenciar deputados a votarem a favor da proposta na Câmara.

Entende a MP

– 2,4% do valor total da dívida deverá ser pago sem reduções em até seis parcelas, entre julho e dezembro;

– o montante restante será dividido em até 194 parcelas, a partir de janeiro de 2018 – sobre essas parcelas que serão aplicadas as reduções de 80% dos juros e de 25% de multas e encargos, inclusive advocatícios; e

– o valor dessas 194 parcelas será equivalente ao saldo da dívida fracionado ou a 1% da média mensal da receita corrente líquida do ente federativo ou municipal.

Retenção

Será pago o menor desses dois valores, e será retido e repassado à União por meio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal e por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Encerrado o prazo de parcelamentos, havendo ainda resíduos a serem pagos, poderão ser quitados à vista ou parcelados em até 60 prestações.

Tramitação

Será constituída comissão mista do Congresso Nacional para emitir parecer sobre a proposta. Depois, o texto será examinado pelo plenário da Câmara e, sem seguida, pelo do Senado.

As medidas provisórias têm força de lei desde a edição e vigoram por 60 dias, podendo ser prorrogadas uma vez por igual período. Se em 45 dias a Câmara e o Senado não tiverem concluído a votação da MP, passará a trancar a pauta da Casa em que estiver tramitando. Ou seja, nenhuma proposta legislativa poderá ser votada no plenário da Casa onde estiver a MP, até que se conclua sua votação.

Se a Câmara ou o Senado rejeitar a MP ou, ainda, se perder a eficácia, os parlamentares terão que editar um decreto legislativo para disciplinar os efeitos que tenha gerado durante sua vigência.

Se o conteúdo da MP for alterado, passa a tramitar como projeto de lei de conversão (PLV). A Câmara dá a palavra final sobre o projeto, já que todas as medidas provisórias começam a tramitar na Casa. Sempre que há alteração, o projeto é enviado à Presidência da República para sanção.

Fonte: DIAP

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários