Ministro da Transparência exige alinhamento político, filosófico e ideológico com Michel Temer

Ministro da Transparência exige alinhamento político, filosófico e ideológico com Michel Temer

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
 Resolução: GREVE GERAL em defesa dos direitos trabalhistas e da aposentadoria


Empossado na última quinta-feira (2), o novo ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Torquato Jardim, exigiu dos servidores de carreira da Casa “compatibilidade política, filosófica e ideológica” com o governo golpista de Michel Temer.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em breve pronunciamento por videoconferência aos servidores de Brasília e dos Estados, o manda-chuva de Temer afirmou: “Quem tiver uma incompatibilidade insuperável com o governo deve pedir espontaneamente sua exoneração”.

Importante lembrar que a Controladoria Geral da União (CGU) foi extinta no primeiro dia de governo do presidente interino Michel Temer, que no seu lugar lançou o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle.

O primeiro escolhido por Temer para o ministério, Fabiano Silveira, não resistiu no cargo e caiu após a divulgação de conversas em que ele critica a Operação Lava-Jato e orienta Renan Calheiros, que é investigado, a se defender.

Pela revogação da MP 726

Anjuli Tostes, funcionária da CGU e militante das Brigadas Populares, explica que a “extinção da CGU altera a identidade do órgão e fere o princípio internacional de controle interno que determina a vinculação ao dirigente máximo, que é a Presidência da República, e a ascendência do órgão fiscalizador sobre os demais órgãos auditados”.

“Isso é fundamental para ter o poder de fiscalizar”, afirma Anjuli. Os servidores fizeram uma série de passeatas, apitaços, paralisações, twitaços pela revogação de todos os dispositivos da MP 726 (que extingue a CGU e a coloca seus servidores sob o mesmo status dos demais ministérios) e prometem continuar com as mobilizações, a fim de garantir que de fato exista um órgão nacional de transparência e combate à corrupção.

Homem forte de Renan e Temer

A escolha de Torquato Jardim teve aval do PMDB do Senado, inclusive do presidente da Casa, Renan Calheiros (AL).

Apesar do aval, o novo ministro é considerado da cota pessoal de Temer, com quem diz ter amizade há 35 anos.

Controladoria Geral da União (CGU)

A CGU foi criada em 2001 como Corregedoria-Geral da União e, em 2003, após ter suas atribuições ampliadas, ganhou o nome de Controladoria.

Como principal órgão nacional de transparência e combate à corrupção, obteve êxito reconhecido na fiscalização de repasses a recursos federais para municípios, com a criação de um modelo de sorteio de cidades a serem fiscalizadas.

Também implementou a Lei de Acesso à Informação, que facilita a solicitação de dados ao governo e amplia a transparência.

No plano internacional, a CGU se tornou uma marca conhecida em todos os organismos internacionais de combate à corrupção: Banco Mundial, OCDE, Transparência Internacional, Iaca (Academia Internacional Anti-Corrupção).

Foto: Beto Barata/PR

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários