Ministério da Saúde no Rio de Janeiro OCUPADO!

Ministério da Saúde no Rio de Janeiro OCUPADO!

Compartilhe

Trabalhadores e usuários do Sistema Único de Saúde, movimentos sociais e sindicais em defesa da saúde pública, universal, gratuita e de qualidade, ocupam nessa manhã o Ministério da Saúde no RJ.

Dentre as pautas o não reconhecemos do governo interino e ilegítimo de Michel Temer, que pretende impor um grande pacote de cortes nos direitos sociais.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Não aceitaremos que a Saúde, direito constitucional e UNIVERSAL de todos os brasileiros; e o SUS, maior política social do país e conquista popular histórica, seja alvo de mais cortes anunciados pelo governo golpista para garantir um ajuste fiscal que quer impor aos debaixo a conta da crise econômica. Por isso, não aceitaremos os cortes a ampliação da Desvinculação das Receitas de União para 30%, como propõe a PEC 87 em tramitação no legislativo.” – afirmam os manifestantes em nota.

Os trabalhadores também afirmam o não reconhecimento de Ricardo Barros como ministro da Saúde, o qual recebeu 100 mil reais de empresas de planos de saúde em sua campanha para deputado federal. E que em sua primeira declaração como ministro interino declarou que pretende reduzir o tamanho do SUS.

“Não aceitaremos a nomeação de Jair Veiga para o Departamento de Gestão Hospitalar (DGH), que coordena uma rede de 6 hospitais federais e 3 institutos especializados no Rio de Janeiro. Veiga é agente da EBSERH na rede de hospitais federais, major reformado do exército, reconhecido por sua truculência no tratamento dos servidores.” – repudiam em nota.

Por um SUS do tamanho do povo brasileiro:

“Exigimos a retirada das portarias 958 e 959 que extingue a obrigatoriedade dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) nas equipes de Saúde da Família. Na atenção primária que defendemos, integral e resolutiva, os ACS são profissionais fundamentais para a detecção dos problemas de saúde e para a consolidação de vínculo com as comunidades onde atuam. A retirada da obrigatoriedade desses profissionais é um ataque inaceitável que aponta claramente para uma atenção primária restrita.

Também não aceitaremos a ampliação da privatização na gestão da saúde e da precarização do trabalho, que já vem acontecendo de longa data e em diversas esferas de governo, independente de partido. Não à EBSERH, às Organizações Sociais às Fundações Estatais de Direito Privado.” – destacam trabalhadores e usuários do SUS.

#ForaTemer #ForaVeiga #EmDefesaDoSUS #ContraPrivatizaçõesNaSaúde

Ministério da Saude RJ 001

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários