Hugo Melo: Constituição está sob ataque do capital porque ampliou direitos em 1988

Hugo Melo: Constituição está sob ataque do capital porque ampliou direitos em 1988

Hugo Cavalcanti de Melo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O juiz do Trabalho Hugo Melo representou o Brasil na mesa sobre a conjuntura latino-americana do mundo trabalho no Seminário Internacional da Intersindical, nesta quinta-feira (14). Melo destacou os ataques aos direitos trabalhistas desde a promulgação da Constituição Federal de 1988 até o governo atual de Bolsonaro. Sobre a Reforma da Previdência apresentada pelo atual presidente, o juiz a classificou como dramática para os trabalhadores, por dificultar o acesso à aposentadoria e desconstitucionalizar o direito à previdência.

“A Constituição de 1988 ampliou os direitos trabalhistas, previdenciários e assistenciais. É por isso que está sob ataque do capital internacional e da extrema-direita”, sintetizou o juiz Hugo Melo. Ele avalia que o desmonte começou já com o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e só não foi maior porque o movimento sindical resistiu às medidas mais duras de desregulamentação no começo dos anos 2000. Durante os governos petistas, Melo reconhece que houve aumento na massa salarial, com a política de valorização do salário mínimo, mas os direitos perdidos não foram devidamente retomados. A exceção, neste aspecto, foi a regulamentação dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras domésticas, durante o governo de Dilma Rousseff.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Com o golpe parlamentar, jurídico e midiático de 2016 e a ascensão de Michel Temer (MDB), o desmonte voltou a todo vapor. Melo destacou a EC 95, que congela os gastos com saúde, educação e assistência por 20 anos, com o objetivo de garantir a remuneração dos juros da dívida pública aos banqueiros. Outras medidas regressivas do projeto golpista eram a entrega das empresas nacionais, a terceirização ampla e as reformas trabalhista e previdenciária.

Em especial sobre a reforma trabalhista, Melo coloca como central a imposição do negociado sobre o legislado, “que sempre foi o sonho do empresariado brasileiro, fazer os trabalhadores aceitarem condições inferiores à legislação”. O juiz enfatizou a propaganda mentirosa do governo golpista sobre a reforma e o projeto de terceirização, que prometiam mais empregos. “Em nenhum pais do mundo flexibilização gerou aumento de salários e de empregos”.

Para finalizar, sobre o governo Bolsonaro, o juiz Melo defendeu que, apesar de inconstitucional, os trabalhadores não podem esperar do Supremo Tribunal Federal (STF) qualquer ação contra a Reforma da Previdência. “São os trabalhadores nas ruas que vão derrubar o projeto”, avisou.

Texto: Matheus Lobo


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários